Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Voucher de desconto ajuda a fidelizar clientes em pequenos negócios

A- A+

Opção para quem deseja aumentar as vendas e melhorar o relacionamento com os consumidores, o voucher de desconto facilita a saída de produtos que estão encalhados no estoque, mas exige atenção do empresário quanto à lucratividade das transações.

Isso porque nem sempre vale a pena oferecer descontos. Entender como utilizar a estratégia de forma benéfica ao negócio é fundamental.

Cupom permite fidelizar clientes

A principal vantagem de oferecer vouchers de desconto na sua empresa é cativar e fidelizar a clientela, criando estímulos para que eles retornem ao estabelecimento. Nesse caso, o voucher é concedido para quem cria um cadastro na loja ou efetua a primeira compra.

Há vários modelos de cupons para colocar essa estratégia em prática. Você pode conceder um desconto de 10% para a próxima compra com valor acima de R$ 200,00, por exemplo, ou 10% à vista para quem retornar à loja no prazo de um mês.

Mulher utilizando o seu voucher de desconto

Voucher de desconto deve ser analisado conforme a taxa de lucro de cada produto. Foto: iStock, Getty Images

Também é possível estimular a compra de diversos itens, oferecendo desconto para quem comprar três ou mais artigos. Nas lojas de vestuário, uma prática comum é oferecer cerca de 15% de desconto na segunda ou terceira peça.

Finalmente, outra estratégia para atrair quem efetuou a primeira compra é enviar um e-mail marketing informando a respeito do desconto. O cliente pode se sentir especial por receber o benefício exclusivo, o que contribui para sua fidelização. Afinal, qual consumidor não gosta de receber um tratamento diferenciado?

Como implementar o voucher de desconto

Em alguns casos, um desconto aparentemente inofensivo de 10% pode significar a derrocada da sua empresa. Vamos entender melhor?

Imagine que você venda um artigo por R$ 100,00. O custo para sua empresa é de 70%, e a margem de lucro é de 30%. Assim, a cada item vendido pelo preço original, você ganha R$ 30,00. Com a venda de cinco desses produtos em um dia, seu lucro seria de R$ 150,00.

Agora considere que você vai conceder um desconto de 10% sobre este produto. Como o custo para a empresa não mudou, o desconto vai incidir diretamente sobre a taxa de lucro. Para cada item vendido, você ganhará R$ 20,00, e, ao fim do dia, a venda de cinco artigos lhe dará R$ 100,00.

Nesse caso, há a necessidade de vender pelo menos mais três itens para compensar o desconto e chegar ao lucro anterior. Se antes você tinha R$ 150,00 de lucratividade diária para vender cinco peças, agora precisa vender oito para ter R$ 160,00. Em outras palavras, você precisa de um aumento de 60% nas vendas para lucrar 6% a mais do que lucraria. Vale a pena?

É por esse motivo que o indicado é priorizar para conceder descontos nos produtos com pouca saída no estoque, que sejam afetados pela sazonalidade ou estejam prestes a vencer. Oferecer vouchers de descontos apenas para agradar os clientes pode acabar minando a sua lucratividade.

Outra opção é oferecer descontos quando você consegue preservar a sua margem de lucro, seja solicitando uma grande quantidade para o fornecedor ou negociando taxas e prazos. Lembre-se: é preciso se esforçar ao máximo para proteger a lucratividade de cada produto, sob pena de minar a sustentabilidade financeira.

 

Você vai se interessar por:

Melhores descontos em um só lugar

O Vivo Descontos é um serviço que reúne as melhores ofertas. Com ele, você tem direito a cupons de desconto e promoções em restaurantes e lojas das melhores marcas do Brasil. Na primeira semana, não paga nada e, após o fim desse período, é cobrado R$ 2,99 por semana.

> Vivo Descontos: Receba cupons ilimitados por SMS, internet ou aplicativo de smartphones

Gostou das dicas sobre voucher de desconto? Comente!

metas de curto médio e longo prazo
quando vale a pena comprar título de capitalização
como conseguir desconto na compra de livros
exemplos de produtos supérfluos
como pechinchar na internet
índice de confiança do empresário do comércio