Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Veja como o aumento do ICMS impacta no bolso dos consumidores

A- A+

Às vésperas da virada do ano, diversos estados brasileiros aprovaram o aumento do ICMS em diversos produtos. A alta das alíquotas é uma justificativa para contornar o cenário econômico de crise e ajustar as contas estaduais.

Além de produtos supérfluos, como cigarro e bebidas alcoólicas, recursos de primeira necessidade – como combustível e energia elétrica – também irão pesar no orçamento mensal do consumidor. Entenda o que irá mudar este ano.

Impactos do aumento do ICMS

São Paulo

A principal mudança em solo paulista ficará por conta da cerveja – cuja alíquota passará de 18% para 20% – e do cigarro, cujo ICMS vai de 25% para 30%. Em contrapartida, os medicamento genéricos terão sua alíquota reduzida de 18% para 12%.

Rio de Janeiro

No estado do Rio de Janeiro, o governo enviou projeto para a votação, sugerindo o aumento de 1% para 2% na alíquota do Fundo Estadual de Combate à Pobreza. Esse fundo incide em todos os produtos passíveis de ICMS, com exceção de produtos da cesta básica, medicamentos excepcionais, material escolar, gás de cozinha, consumo mensal de até 300 quilowatts/hora, água (até 30 metros cúbicos mensais), e telefonia fixa residencial.

Rio Grande do Sul

O extremo sul do Brasil foi uma das regiões mais afetadas pelo aumento do ICMS. A alíquota básica – aplicada sobre produtos sem alíquota específica – vai de 17% para 18%. Já o percentual sobre a energia elétrica, álcool, gasolina e telefonia (fixa e móvel) sobem de 25% para 30%, com validade de três anos.

Aumento do ICMS atingirá serviços básicos.

Contas de serviços básicos, como água e luz, podem ficar mais caras. Foto: iStock, Getty Images

Aumento do ICMS no dia a dia

Cálculos do Instituto de Estudos Tributários apontam que a alíquota básica deve gerar um aumento real de 1,22% nos produtos. Uma roupa de R$ 50,00 passará a custar R$ 50,61. Já a gasolina e o etanol terão um aumento de 7,14% com a mudança. Isso significa que, quem gastava R$ 200, irá gastar R$ 214,29 em 2016.

 

Você vai se interessar por:

A energia elétrica também terá um aumento de 7,14%. Para ter uma ideia do impacto, quem consumia R$ 100 passará a pagar R$ 107,14. A telefonia fixa e móvel também será calculada dessa forma.

Já a TV por assinatura contará com um aumento de 2,33%. Dessa forma, quem pagava R$ 200 agora paga R$ 204,65. O percentual de aumento do refrigerante será o mesmo, passando, por exemplo, de R$ 4 para R$ 4,09.

As cervejas, bebidas alcoólicas, cigarros e cosméticos têm aumento na mesma ordem. Assim, um produto que antes custava R$ 50 agora custa R$ 51,16. Esta simulação de cálculos, no entanto, não leva em conta a incidência de impostos como Pis/Confis, que mudam de acordo com o produto.

E aí, entendeu como o aumento do ICMS vai impactar o seu orçamento? Deixe seu comentário.

vale a pena comprar no crediario
por que as coisas são tão caras no Brasil
como parcelar dívida ativa do IPVA
comprar alimentos no atacado
valor da cesta básica em Palmas
valor da cesta básica em Fortaleza