Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Valor do IPTU de um imóvel deve ser considerado na hora de comprar

A- A+

Na hora de escolher a casa própria, o comprador costuma pensar em quase tudo: localização, tamanho, cômodos, área de lazer e na infraestrutura da região, menos no valor do IPTU de um imóvel. Só que bons hábitos financeiros recomendam agregar o custo desse ao orçamento para não haver problemas no pagamento.

Valor do IPTU de um imóvel é variável

Mudança de zoneamento pode elevar valor do IPTU, surpreendendo o comprador. Foto: iStock, Getty Images

Atenção ao valor do IPTU de um imóvel

Via de regra, quem vai comprar uma casa ou apartamento não se preocupa com o valor do IPTU de um imóvel por desconhecer o tamanho do gasto. É bom lembrar que, assim como o custo do condomínio pode pesar nas contas da família, o imposto também pode alterar o orçamento.

Isso ocorre, principalmente, quando a ideia é mudar de uma zona mais simples para uma região mais nobre da cidade. Portanto, estar atento à localização é fundamental.

As prefeituras se baseiam em três itens para o cálculo do imposto: tamanho, localização e preço de mercado. Assim, todos os anos, há um reajuste com base no IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), com o objetivo de repor as perdas causadas pela inflação.

Levando em consideração a parcela do financiamento, IPTU e condomínio altos podem gerar sérios problemas financeiros.

Mas mesmo quando o comprador já tem uma propriedade e não precisa recorrer a financiamentos para pagar pelo novo imóvel, é importante avaliar com cuidado a localização desejada para não se deparar com surpresas desagradáveis.

Como pagar o IPTU

Uma das formas de amenizar um possível alto valor do IPTU é aproveitar o desconto do pagamento antecipado. Se não puder pagar à vista, o jeito é parcelar no carnê.

Os especialistas no mercado imobiliário sustentam que a população de baixa renda ou de classe média geralmente está mais atenta ao valor do IPTU de um imóvel após a compra da propriedade. A classe alta, no entanto, não costuma se preocupar com o imposto.

A recomendação é que todas as contas devem ser incluídas no orçamento familiar. Afinal, o atual cenário econômico é de instabilidade e, levando em consideração as compras financiadas, sempre há riscos de imprevisto financeiro que possa prejudicar o pagamento das parcelas. É o caso de um problema de saúde, do desemprego e até mesmo a morte de um cônjuge.

É por esses motivos que os bancos dificilmente liberam um financiamento com parcela superior a 30% da renda total. Os agentes imobiliários e educadores financeiros, no entanto, costumam baixar essa margem para 20% da renda, com o objetivo de pagar com tranquilidade.

É importante lembrar que as negociações de compra incluem outros custos além da parcela, e eles são bastante altos. Há uma série de despesas com cartório, pois há certidões que precisam ser solicitadas, e o ITBI, o imposto de transmissão, que sempre é pago pelo comprador. Esses custos podem chegar a 10% do valor do imóvel.

Você vai se interessar por:

Seguro para os seus bens

Se você tem um imóvel, uma boa dica é contratar uma proteção extra. Clientes Vivo podem contratar seguro residencial que garante, entre outras coberturas, amparo contra incêndio, raio e explosão. A apólice garante o pagamento de uma indenização, quando ocorrer danos à sua residência ou ao seu conteúdo.

O seguro ainda cobre prejuízos decorrentes de roubo ou furto qualificado, de problemas causados por danos elétricos e Responsabilidade Civil Familiar.

> Seguros para seus bens: Garanta proteção contra incêndio, raio, danos elétricos, roubo e furto

Este artigo sobre o valor do IPTU de um imóvel foi útil para você? Compartilhe!

Comprar casas em Orlando é opção
Como é morar no campo
Trabalhando na reforma de casas antigas
Como escolher corretora para Tesouro Direto
Uso de LED no projeto de iluminação residencial
Reaproveitamento da água do chuveiro