Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Sistema Financeiro Nacional é vital para a economia do país

A- A+

Você já ouviu falar do Sistema Financeiro Nacional (SFN)? Pode até acreditar que não, mas ainda assim já foi impactado por ele de diversas formas.

O SFN é o responsável por coordenar todas as atividades financeiras que acontecem no Brasil. É ele, por exemplo, que fiscaliza quanto de dinheiro há em circulação para que a economia brasileira continue girando.

Além disso, o Sistema Financeiro Nacional permite diversas operações que utilizamos na nossa rotina, como empréstimos, investimentos, pagamentos e recebimentos. É nele também, destaca o economista Bernardo Baggio, que se dá a formação da taxa de juros, da taxa de câmbio e os custos do dinheiro.

O Sistema Financeiro Nacional é compostos por três tipos de instituições.

É o SFN que permite operações comuns, como empréstimos e investimentos. Foto: iStock, Getty Images

Sistema Financeiro Nacional tem 3 tipos de instituições

Fundamental para o bem-estar econômico do país, o Sistema Financeiro Nacional é composto por três tipos de instituições: as normativas, as supervisoras e as operativas. Conheça um pouco mais de cada uma delas e entenda a importância desse sistema.

Instituições normativas

São responsáveis por estabelecer as regras e diretrizes de funcionamento do sistema. Os órgãos normativos são o Conselho Monetário Nacional (CMN), o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e o Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC).

O CMN é encarregado, por exemplo, de definir as práticas da política monetária, cambial e de crédito. Essas regras estabelecidas afetam o seu bolso, na medida em que as formas de atuação das instituições são reguladas, e, assim, os limites de crédito e o procedimento de comprar uma moeda estrangeira são alterados.

Instituições supervisoras

Como o próprio nome diz, realizam a supervisão e a fiscalização do sistema. É o conjunto formado pelo Banco Central do Brasil (BC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Superintendência de Seguros Privados (Susep) e a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc).

O BC regula a quantidade de dinheiro em circulação (liquidez). Ou seja, quando há um incremento do dinheiro em curso, o crédito ofertado pelas instituições financeiras aumenta e as taxas de juros tendem a diminuir, afetando diretamente a vida do consumidor.

Instituições operadoras

Já as operadoras são todas as demais instituições, como: bancos, bolsas de valores, intermediários financeiros, entidades fechadas e abertas de previdência complementar, seguradoras, entre outras.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por exemplo, é o principal agente de desenvolvimento no país. Ele é responsável por financiamentos em longo prazo, o que viabiliza os investimentos de todos os setores da economia.

Você vai se interessar por:

Alcançar objetivos de vida depende de economia e planejamento financeiro

Balança de pagamentos é indicador crucial sobre economia de um país

Como resultado da balança comercial afeta a economia

Por dentro do Sistema Financeiro Nacional

Entender o funcionamento do Sistema Financeiro Nacional ajuda a compreender a situação atual do Brasil.

Segundo Baggio, é de extrema importância que cada uma dessas instituições funcione e desempenhe o seu papel, para que o país seja saudável economicamente e livre de crises. “O sistema financeiro é muito caracterizado pela confiança. Quando há desconfiança, o sistema para e todo o crédito da economia seca”, finaliza.

 

Gostou de conhecer mais sobre o Sistema Financeiro Nacional? Comente!

viagens econômicas pela Europa
como lidar com a avareza
economizar no seguro da casa
celular de 15 reais
melhor lugar para trabalhar
investir em ação ou em renda fixa