Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Saiba quais são os empréstimos mais baratos do mercado

A- A+

Quando a dificuldade financeira aparece e a necessidade de dinheiro é urgente, um caminho natural é recorrer ao crédito concedido de forma automática, como o cheque especial. Mas não é novidade que o custo é alto devido aos juros praticados. Há empréstimos mais baratos do mercado, porém nem sempre as pessoas sabem onde encontrá-los e quais as condições de contratação.

Avaliando os empréstimos mais baratos do mercado

Para quem precisa de dinheiro, crédito consignado cobra os menores juros. Foto: iStock, Getty Images

Os empréstimos mais baratos do mercado

Quando se fala em empréstimos mais baratos do mercado, não há dúvida de que o mais em conta de todos é o crédito consignado, aquele cujas parcelas são descontadas na folha de pagamento.

Embora a oferta seja maior para funcionários públicos, aposentados e pensionistas – em função da estabilidade – também é possível obtê-lo sendo trabalhador em empresas privadas.

Nesse caso, porém, é necessário solicitar uma autorização no setor de recursos humanos da empresa, o que serve como garantia ao banco de que o valor será descontado mensalmente.

Fora o consignado, as linhas de crédito para antecipações (seja de décimo terceiro salário ou da restituição do Imposto de Renda) costumam ter juros menores, mas ainda assim não são exatamente vantajosas frente ao valor que você receberia nos benefícios. Eles servem como garantia de pagamento, mas, após acrescidos os juros, você percebe claramente os pontos negativos da troca.

Quando se trata de outras linhas, os juros são geralmente bem mais altos. Via de regra, só vale a pena pegar um empréstimo quando a ideia é trocar uma dívida mais cara por uma mais barata. Em outras palavras, quando você consegue crédito com taxas menores para pagar outro com taxas mais altas.

Não fique dependente do empréstimo

Apesar das opções no mercado, economistas aconselham que se recorra ao crédito somente em última instância, pois, muitas vezes, ele resolve o problema financeiro apenas momentaneamente. O risco de comprometer a renda do usuário pode levar a novos percalços em um curto espaço de tempo.

Se a ideia é organizar suas finanças, siga estas três etapas:

1. Faça um diagnóstico financeiro

O primeiro passo é anotar todas as suas receitas líquidas e as despesas. O segundo é analisar quais os maiores gastos, para detectar o ralo financeiro e estancar o vazamento de dinheiro. Em seguida, veja quais os gastos que podem ser cortados ou reduzidos.

2. Renegocie dívidas

Depois de fazer os cortes, você contará com uma sobra mensal. Isso dará a ideia do valor da parcela que pode pagar para renegociar dívidas. Essa alternativa é melhor do que solicitar uma linha de crédito.

3. Monte um fundo de reserva

Contar com uma reserva financeira, por menor que seja, é a melhor prevenção contra o endividamento. Aposte nessa ideia.

Você vai se interessar por:

Acesso garantido à tecnologia

Para fazer uso da tecnologia e não ficar sem saldo, é importante estar com a recarga em dia no seu celular. Você sabia que a Vivo possui um serviço de seguro de recarga, que pode fazer a diferença na hora em que você mais precisar? Em parceria com a Zurich Seguros, a empresa oferece o plano Recarga Garantida. O pagamento mensal de R$ 4,99 dá direito a R$ 80 em crédito no celular em caso de desemprego.

> Vivo Recarga Garantida: Assegure R$ 80 de carga no celular pré-pago em caso de desemprego

Gostou de conhecer os empréstimos mais baratos do mercado? Compartilhe as dicas!

Dicas para quem pensa em vender bens para pagar dívidas
seudinheiro-Compras-de-supermercado
sair da casa dos pais
sonho de consumo
app para gastos pessoais
juros cobrados no cartão de crédito