Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Saiba por que fazer uma reserva de emergência

A- A+

A tarefa de conseguir chegar ao fim do mês com todas as contas em dia e ainda com uma reserva de emergência é o sonho de muita gente, embora nem sempre seja a realidade. Entre contas a pagar e gastos que nem sempre estavam previstos, o orçamento às vezes parece pequeno.

Quando o assunto é poupar dinheiro e adequar as finanças pessoais, a resposta costuma ser uma só: planejamento financeiro. Mas, afinal, como conseguir esse equilíbrio? Não existe uma resposta única.

Para ajudar a poupar, uma alternativa é definir metas que incentivem você. Foto: iStock, Getty Images

Para ajudar a poupar, uma alternativa é definir metas que incentivem você. Foto: iStock, Getty Images

A importância da reserva de emergência

Para o coach financeiro Rodrigo Marroni, ter uma reserva de emergência é sinônimo de mais tranquilidade no dia a dia. Afinal, mesmo quando os imprevistos acontecem, há recursos disponíveis para contorná-los em um curto período de tempo, sem a necessidade de recorrer a parentes ou mesmo aos bancos.

“Em atendimentos de coach financeiro uma das perguntas que realizamos para os clientes durante o processo é esta. Se você não pudesse mais trabalhar a partir de hoje e tivesse que contar somente com a sua reserva financeira, quanto tempo você viveria? São raros os casos que as pessoas respondem mais de dois meses”, explica Marroni.

Com o planejamento das finanças, que inclui anotar todos os números referentes à sua renda, fica mais fácil reconhecer os gastos e, quando possível, diminuí-los. O ideal é guardar e aplicar 10% do que se ganha todos os meses, recomenda a consultora financeira Evanilda Rocha. Se você não tem esse hábito, ela indica começar aos poucos e aumentar a porcentagem com o passar do tempo.

Mas não basta deixar o dinheiro na conta. O ideal, aconselha Marroni, é aplicá-lo em investimentos sem risco, como é o caso do Tesouro Direto. Outra opção mais simples, que ajuda no início, é reservar esse dinheiro na poupança e evitar que ele permaneça disponível para gastos.

Em vez de reserva de emergência, planejar sonhos

Manter uma reserva para emergências é fundamental? A ideia não é consenso entre os profissionais da área. Ao invés disso, a consultora financeira pessoal Gabriela Vale aconselha a investir em desejos. A ideia pode parecer estranha à primeira vista, mas a proposta é que a economia ocorra de acordo com as reações que são comuns ao ser humano.

Gabriela explica que, ao falar em emergência, a tendência é que logo se pense em algo ruim, que precisa ser resolvido, mas não incentiva a poupar. Então a proposta vai no sentido contrário: conhecer seus sonhos e guardar dinheiro para o prazer. Pode ser uma viagem, a compra de um carro ou mesmo algo mais simples.

O importante é definir metas desde o início. Se o seu objetivo exige uma economia de R$200 por mês, o segredo é separar essa quantia logo que ela entra na conta e não esperar que seja necessária para pagar novas compras. Caso uma emergência aconteça nesse meio tempo, você só vai precisar adiar seus planos ou rever os seus prazos, pois o dinheiro vai estar ali.

 

Gostou das dicas sobre reserva de emergência? Compartilhe!

Casal melhora as finanças pessoais
como economizar na limpeza
lareira em apartamento
parcelar festa de casamento
parcelar viagens no cartão de crédito
Como tirar manchas de mofo e bolor da parede