Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Sacolas plásticas podem reverter em benefícios ambientais e financeiros

A- A+

Escolha tradicional em supermercados para armazenar e transportar compras, as sacolas plásticas não são mais apenas inimigas do meio ambiente, como também vilãs do bolso. Em muitos estabelecimentos, quem ainda deseja recorrer a elas precisa pagar.

Recentemente, a Justiça de São Paulo negou pedido de liminar da prefeitura, que tentava impedir a cobrança pelas embalagens. No comércio da capital paulista, o uso de sacolas plásticas custa entre R$ 0,08 e R$ 0,15 por unidade.

Uso de sacolas plásticas

Iniciativas em todo o país tentam reduzir uso de sacolas plásticas no comércio. Foto: Marcelo Camargo/ABr

Impacto das sacolas plásticas no bolso

A quantia economizada com o não uso do item pode parecer irrisória em um primeiro momento, mas é só fazer os cálculos para entender o impacto da medida.

Segundo o Instituto Akatu, ONG que incentiva o consumo consciente, cada brasileiro utiliza, em média, 880 sacolas por ano. Ou seja, não utilizar esse tipo de embalagem pode resultar em uma economia anual de R$ 88,00 – isso ao considerar o custo de R$ 0,10 por unidade.

Ainda parece pouco? O educador financeiro Pedro Madureira Neto, do Instituto DSOP, recomenda aplicar esse valor economizado com as sacolinhas em um título do Tesouro Direito. “Com uma uma taxa de 1,0% ao mês, teríamos no final de um ano R$ 93,00 de economia. E, em 10 anos, esse valor chegaria de R$ 1.686,87”, explica.

Quer mais um argumento? Além de economizar dinheiro, você estará ajudando o meio ambiente, pois deixará de adquirir as sacolinhas que poluem os rios, além de entupir bueiros e causar enchentes.

Alternativa às sacolas plásticas

O uso da sacola plástica como embalagem no Brasil vem sendo combatido há anos. Em 2009, o Ministério do Meio Ambiente criou a campanha “Saco é um saco”, com o objetivo de diminuir o montante de 12 bilhões de itens consumidos por ano no país, segundo dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

Desde então, ganha força como alternativa a recorrência à sacola retornável. Também chamadas de ecobags, são feitas com materiais mais resistentes e sustentáveis. Podem ser usadas diversas vezes, diminuindo o impacto no meio ambiente e no seu bolso.

E a mudança parece estar sendo bem aceita pelos paulistanos. De acordo com pesquisa feita pela consultoria Dunnhumby, 79% dos moradores de São Paulo preferem armazenar suas compras em embalagens trazidas de casa, em vez de utilizar as sacolas plásticas vendidas.

Você vai se interessar por:

Conheça ações que estimulam a sustentabilidade e dão vale desconto

Conheça 5 maneiras de praticar o consumo sustentável

Conheça três projetos de logística reversa bons para o meio ambiente

Como economizar mais

Além de evitar as sacolas plásticas, existem outras maneiras de economizar nos supermercados. Para Madureira Neto, o primeiro passo para não extrapolar nas compras é fazer uma lista com todos os produtos que precisam ser adquiridos. Apesar de simples, essa medida ajuda a diminuir a aquisição de mercadorias desnecessárias.

“Com essa lista, você deve fazer pesquisas de preços em vários supermercados diferentes. Além disso, o ideal é fazer a compra semanalmente. Assim, pode-se aproveitar as promoções. Nunca esquecendo de anotar o quanto está se gastando no mês nesse tipo de despesa”, recomenda.

Segundo ele, com esse diagnóstico, é possível analisar se está comprando produtos demais ou não, e, dessa maneira, conseguir reduzir em até 30% de suas despesas com produtos de supermercado.

Outra maneira de economizar é se alimentar antes de ir às compras. De acordo com Madureira, isso ajuda a evitar aquisições desnecessárias, que só seriam feitas para saciar um desejo momentâneo.

“Oriento sempre as famílias a fazerem uma pergunta, toda a vez que estiverem escolhendo um produto para comprar: ‘Estou precisando realmente disso agora?’ Esta pergunta é mágica e, na maioria das vezes, a resposta é ‘não’”, finaliza.

 

Você ainda usa sacolas plásticas? Cadastre-se e receba a nossa newslettter.

como funciona o auxílio maternidade
como funciona o auxílio creche
como funciona o auxílio doença
como abrir uma empresa de reciclagem
mão aberta
descontro de empréstimo consignado