Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Prós e contras do empréstimo com desconto em conta corrente

A- A+

Quando buscar crédito é a solução para pagar as contas em dia, convém avaliar as opções com as menores taxas de juros. Entre elas, está o empréstimo com desconto em conta corrente. Nessa modalidade, o banco retira automaticamente a parcela referente à amortização e juros diretamente da conta do devedor. Mas será que esse fator define a modalidade como um bom negócio para o seu bolso?

Mulher assina empréstimo com desconto em conta corrente

Não assine o contrato se as parcelas colocarem o seu orçamento em risco. Foto: iStock, Getty Images

Entenda o empréstimo com desconto em conta corrente

A modalidade é muito parecida com o empréstimo consignado, mas com uma pequena diferença: no consignado, o dinheiro é descontado diretamente da folha de pagamento do beneficiário, e não da conta corrente.

Para o banco liberar ao cliente um empréstimo com desconto em conta corrente, ele vai exigir um comprovante da renda mensal, como extratos bancários e contracheque, e certamente irá consultar o Cadastro de Pessoa Física (CPF) do solicitante, para averiguar se ele consta em algum cadastro de restrição ao crédito. Depois de aprovado, o empréstimo é liberado em até 48 horas.

Além das taxas de juros mais favoráveis, a vantagem para o tomador do empréstimo é de não precisar se preocupar com as datas. Como o débito é automático, você não vai perder nenhum pagamento, não correndo o risco de pagar ainda mais juros. Já a parte credora, o banco, terá mais segurança de que a dívida será realmente paga.

A razão para os juros menores

Mas por que as taxas são mais baixas? Em qualquer instituição financeira, quanto menor o risco para o credor, menor serão os juros cobrados. E a maneira que o banco tem de avaliar isso são as garantias. No caso do empréstimo com desconto em conta corrente, a garantia é que haverá mensalmente um aporte de dinheiro na conta, advindo de salário ou pensão.

Por isso, ele não é disponibilizado para autônomos e empresários, que não têm carteira assinada, ou qualquer pessoa que não receba seu salário ou benefício diretamente na conta corrente. Trabalhadores assalariados, aposentados, pensionistas e funcionários públicos são os que podem tomar esse tipo de empréstimo.

Cuidados do empréstimo com débito automático

Em 2014, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que os bancos podem descontar, para o pagamento da parcela do empréstimo com desconto em conta corrente, no máximo 30% do salário do cliente.

Então, no pior cenário, se você tomar emprestado dinheiro do banco com essa modalidade, terá disponível para as demais despesas do mês apenas 70% do seu salário. O cuidado principal, portanto, é planejar bem e não assinar um contrato que prevê parcelas que vão comprometer o seu orçamento.

Afinal, se acontecer um imprevisto e você precisar de mais dinheiro, será muito difícil cancelar o débito automático das parcelas. O banco poderá alegar que, caso a forma de pagamento seja alterada, os juros também não serão os mesmos.

Para alterar o contrato, será necessário ter paciência para encarar uma negociação com o credor, e a saída possivelmente será suavizar as parcelas. Nesse caso, o custo final do empréstimo será mais alto do que a intenção original.

Você vai se interessar por:

Seu nome protegido

Se você convive com dívidas, precisa conhecer o Vivo Alerta CPF. Entre as suas funções, está o envio de um SMS ao cliente toda vez que ocorrer uma alteração no status do seu nome nas bases de dados da Serasa Experian, toda vez que uma empresa consultar o nome do cliente nessa base de dados e ainda quando o seu nome estiver prestes a ser negativado.

Além disso, o cliente recebe exclusivas dicas antifraude e pode visualizar o relatório completo sobre o seu CPF.

> Vivo Alerta CPF: Receba alertas via SMS sempre que houver consultas a seu CPF

Gosta de dicas financeiras? Cadastre-se e receba nossa newsletter.

sair da casa dos pais
vale a pena economizar
vale a pena pegar empréstimo
emprestimo urgente para negativado
erros financeiros comuns
como aprender com erros de finanças