Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Prós e contras de largar emprego para cuidar dos filhos

A- A+

A maternidade é sempre um desafio. Trazer uma vida ao mundo e adaptar-se a um novo ser tão especial pode gerar uma série de incertezas. Uma das mais comuns diz respeito a largar emprego para cuidar dos filhos. Será que vale a pena?

Mulher gostou de largar emprego para cuidar dos filhos

Dedicação integral ao filho tem vantagens, mas recolocação no mercado é mais difícil. Foto: iStock, Getty Images

Vale largar emprego para cuidar dos filhos?

A resposta, claro, depende de cada pessoa – desde a sua vontade até sua necessidade de trabalhar ou de ficar em casa. Mas a coach Talita Raquel de Oliveira, professora do curso de Gestão para Inovação e Liderança da Unisinos-RS, responde alguns questionamentos frequentes das mães. Ela divide o tema em dois pontos: positivos e negativos.

Pontos positivos

Quem tem o maior ganho nessa pausa da mãe, sem dúvida, é o bebê. Afinal, ela poderá se dedicar integralmente às necessidades do filho. Até uma certa idade pode-se dizer que é extremamente saudável.

“No entanto, à medida que a criança for crescendo, vai entendendo como funciona a nossa sociedade e pode reforçar o paradigma da mulher cuidadora e do pai que vai trabalhar para pagar as contas”, explica Talita. Isso reforça aquela ideia ancestral do homem caçador e da mulher que se limita aos afazeres domésticos.

Claro que a mulher deve ter uma liberdade de escolha entre trabalhar ou ficar sendo mãe em tempo integral. Mas vale lembrar que, na luta feminina pela igualdade no mercado de trabalho, isso pode ser sinônimo de atraso. “O homem também pode fazer esse papel. Conheço casos dessa inversão que são bem-sucedidos”, diz.

Pontos negativos

Tudo depende do projeto de vida de cada pessoa. Há mulheres que se organizam para viver intensamente a maternidade, ficando em casa no primeiro ano, e depois retornam ao trabalho tranquilamente.

Outras demoram mais para se recolocar no mercado de trabalho, pois um ano fora ainda gera insegurança no contratante a respeito das reais intenções de quem o fez.

Talita aborda também uma questão delicada na relação entre mãe e bebê: o preconceito. Ela sustenta que a dedicação a um filho ainda não foi compreendida. “Se você fica um ano fora do país fazendo intercâmbio, é quase idolatrado. Mas se ficou em casa cuidando dos filhos, a mulher é taxada de acomodada”, aponta.

Entretanto, a coach observa que em ambas as situações, não só o desenvolvimento pessoal como também o profissional também é possível. “As competências são desenvolvidas nos dois casos”, reitera.

Você vai se interessar por:

Quando largar o emprego?

Como tudo o que se refere a esse assunto, largar emprego para cuidar dos filhos é uma decisão muito pessoal. Mas via de regra, interromper ou não a carreira depende muito da importância que mulher dá a ela. “É preciso analisar se ela gosta ou não do que faz, se o seu trabalho está aliado a algum projeto de vida ou missão pessoal”, ensina.

Para Talita, quando não há esses fatores, o trabalho é um sacrifício ou apenas mais uma tarefa a ser comprida. Nesse caso, quando a mulher se torna mãe, é mais provável que encontre o sentido de sua vida nesse papel e decida largar tudo para se dedicar ao filho.

Para as mulheres que resolvem fazer uma pausa prolongada, mas planejam um retorno, a dica é manter-se atualizada e estudando. Também é importante nutrir as amizades, manter encontros periódicos com os amigos e alimentar o networking.

 

E para você, vale a pena largar emprego para cuidar dos filhos? Comente!

Pokémon Go
como lucrar vendendo artesanato
como lucrar vendendo cosméticos
como abrir uma academia de ginástica
como abrir uma pizzaria
como montar uma drograria