Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Planos de comprar apartamento? Saiba o que muda no financiamento

A- A+

De acordo com o índice FipeZap, o preço dos imóveis tem subido abaixo da inflação nos últimos meses. Para quem quer comprar apartamento, aproveitar a oportunidade de estabilidade do mercado imobiliário pode ser a chance de realizar o sonho da casa própria.

Se, por um lado, a notícia de estabilidade do segmento é boa, por outro, a Caixa Econômica Federal anunciou novas regras restritivas para quem quer comprar apartamento usado por meio de financiamento do banco.

Novas regras para comprar apartamento pela Caixa

A principal mudança diz respeito ao financiamento de imóveis usados com recursos da poupança. A Caixa reduziu o percentual que pode ser financiado com valores da poupança na compra de apartamento usado.

comprar-apartamento

Interessado em fazer o financiamento terá que ter mais dinheiro vivo no bolso. Foto: iStock, by Getty Images

A partir de agora, quem quiser comprar apartamento com financiamento do banco, na prática, terá que desembolsar um valor maior de entrada.

A mudança já está em vigor e é válida para financiamentos feitos pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e Sistema Financeiro Imobiliário (SFI).

No caso das operações com recursos da poupança realizadas pelo SFH, o financiamento máximo será de 50% do valor do imóvel (antes era 80%). Para as operações realizadas pelo SFI, a mudança implica em uma redução do valor máximo de financiamento de 70% para 40%.

Em outras palavras, o interessado em fazer o financiamento terá que ter mais dinheiro vivo no bolso para optar por comprar o imóvel usado pela Caixa.

Quem tem o capital da entrada em mãos, se beneficia com uma dívida menor e, principalmente, as melhores taxas para determinadas faixas de valores do mercado.

Nova regras não se aplicam ao Minha Casa, Minha Vida

Segundo comunicado oficial do banco, as mudanças são necessárias porque, em 2015, a prioridade da Caixa é o financiamento de imóveis novos, com destaque para a habitação popular.

Em virtude disso, as novas regras não atingem financiamentos feitos pelo programa Minha Casa, Minha Vida ou aqueles realizados com os recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Comprar apartamento: alternativas ao financiamento da Caixa

Apesar de deter cerca de 70% dos financiamentos imobiliários do País, a Caixa Econômica Federal não é o único caminho para se comprar um apartamento.

Com as novas restrições impostas pelo banco público, o cenário para quem quer adquirir um imóvel usado deve se alterar.

“Com a saída da Caixa da concorrência graças às restrições mais rígidas, os bancos privados que oferecem financiamento imobiliário terão maior liberdade para aumentar sua taxas”, explica Marcelo Prata, presidente do Canal do Crédito, site especializado na comparação de operações de crédito.

“Os bancos privados, no entanto, ainda não sinalizaram se vão, como a Caixa, exigir entradas maiores para concederem os financiamentos”, conta Prata. Atualmente, a regra geral de entrada para financiamentos de imóveis usados entre os bancos é de, no mínimo, 20% do valor do bem imobiliário.

Uma outra alternativa ao financiamento é o consórcio, opção em que um grupo de pessoas paga parcelas mensais para ratear o valor do imóvel. Com o dinheiro de cada uma delas, os membros podem ser contemplados com uma carta de crédito para obter os recursos necessários para comprar o apartamento.

Segurança para sua família

Clientes Vivo podem contratar seguro residencial que garante, entre outras coberturas, proteção contra incêndio, raio e explosão. O seguro cobre ainda prejuízos decorrentes de roubo ou furto qualificado, de problemas causados por danos elétricos e Responsabilidade Civil Familiar.

> Seguros para seus bens: Proteção da sua casa até sua bolsa, mochila e carteira

Gostou das dicas para comprar apartamento? Cadastre-se e receba nossa newsletter.

Comprar casas em Orlando é opção
Como é morar no campo
Trabalhando na reforma de casas antigas
Decidiu comprar binóculos potentes
Como escolher corretora para Tesouro Direto
Uso de LED no projeto de iluminação residencial