Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Pesquisar preço do pãozinho pode render economia anual de R$ 700

A- A+

Pão de trigo, pão francês, pão branco. As nomenclaturas mudam ao longo do território brasileiro, mas uma coisa é certa: o preço do pãozinho pesa no bolso das famílias brasileiras.

Por ser um hábito de consumo no país, as variações de custos entre um estabelecimento e outro podem fazer diferença na hora das compras. E acredite: ao pesquisar, você descobre que ela não é pequena.

Preço do pãozinho em alta

Comprar o pãozinho no supermercado e não na padaria pode ser mais econômico. Foto: Shutterstock

Variação no preço do pãozinho

Quem analisou e descobriu a variação no preço do pãozinho foi a Proteste, a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor. A líder da pesquisa, a técnica Natália Dias, diz que o estudo surgiu da observação de aumento nos custos de diversos produtos ao longo do ano e da necessidade de saber a importância das pequenas coisas no dia a dia.

Ela diz que os resultados da pesquisa foram surpreendentes com relação à variação que é possível encontrar no preço do pãozinho em um pequeno território. “Considerando estabelecimentos localizados no Rio de Janeiro, por exemplo, é possível encontrar diferenças de até 200% nos custos, em estabelecimentos localizados em uma mesma rua”, afirma Natália.

Com os resultados do levantamento – que foi feito de forma interativa, através de imagens enviadas pelos consumidores – a Proteste descobriu quanto, em média, um consumidor pode economizar se passar a comprar nos locais onde o preço do pãozinho é menor. O valor final da conta mostrou que é possível poupar até R$ 700 por ano dessa forma.

Segundo Natália, a principal conclusão da pesquisa a respeito das variações entre os estabelecimentos é de que, em geral, o pão vendido na padaria é mais caro do que aquele comercializado em supermercados. O quilo do pãozinho nas padarias cariocas custa quase o dobro do mesmo índice nos hipermercados da cidade.

Preço do pãozinho pesa no seu bolso

O estudo realizado pela Proteste considerou que um pão francês pesa, em média, 50g e que os consumidores brasileiros têm o hábito de consumir cerca de quatro pães todos os dias. No Rio de Janeiro, o custo médio anual desse consumo é de R$ 861,40. Já em São Paulo, o consumidor gasta R$ 803 ao ano na compra do pãozinho.

Para Natália, a melhor forma de fazer com que o preço do pãozinho não pese tanto no bolso dos brasileiro é optar pela compra nos mercados e não nas padarias. “É importante que o consumidor procure e veja se realmente vale a pena comprar todos os dias. Compras semanais podem ajudar a reduzir o consumo e o gasto, principalmente em dias de oferta”, diz a técnica da Proteste.

Segundo ela, o consumidor nem sempre presta atenção no preço do pãozinho, assim como ocorre com outras pequenas compras. “Pode ser interessante também pensar em consumir o pão do dia anterior ou conservar de um modo que ele não estrague tão rapidamente”, aconselha Natália, que destaca ainda que a pesquisa foi feita com base no preço e não na qualidade dos pães.

Você vai se interessar por:

Pãozinho vira um sonho de consumo

Considerando a economia de R$ 700, você pode usar o dinheiro que deixou de gastar com o pãozinho para ter algo que há tempos deseja. Veja exemplos de produtos que pode comprar com esse valor:

– 2 smartphones entre os modelos Multilaser MS2, Microsoft Lumia 435, CCE Motion Plus e LG Joy

– 1 smartphone entre os modelos LG Prime Plus, Samsung Galaxy J2 TV Duos, Moto G 2ª Geração e Sony Xperia E1

– 1 câmera digital entre os modelos Canon Powershot e Nikon Coolpix S3600

– 1 TV LCD 22 polegadas da LG

– 1 notebook touch Positivo SX1000

– 1 fogão de 3, 4, 5 ou até 6 bocas

– 1 lavadora de roupas, uma centrífuga, mais de um micro-ondas e, quem sabe, até um frigobar

– Mais de um tablet, entre diversos modelos a escolher

– Mais de um aparelho de DVD, entre diversos modelos a escolher.

 

E você? Costuma pesquisar o preço do pãozinho? Deixe seu comentário.

vale a pena usar roupas de marca
feiras de trocas
vale a pena economizar
dividir aluguel com alguém
limite do cartão de crédito
exemplos de produtos supérfluos