Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Não sabe qual dívida pagar primeiro? Veja por onde começar

A- A+

Quando estamos endividados, seja por descuido ou por um problema mais sério, pode ser bastante complicado decidir qual dívida pagar primeiro. Principalmente quando se está com o nome negativado, fica difícil avaliar qual débito traz o risco maior.

O primeiro passo é assumir-se como um devedor. Afinal, sem admitir o problema, fica difícil encontrar uma solução. E não se constranja em fazer isso, pois você não é o único nessa situação.

Levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontou que 29% dos consumidores não conseguiram pagar o aluguel ou prestação da casa em um prazo de 12 meses. Há quase três anos atrás, esse índice era de 19%. Ou seja, tem cada vez mais brasileiros diante do mesmo dilema, sem saber qual dívida pagar primeiro.

Pessoa analisando qual dívida pagar primeiro.

Avaliar o grau de risco de cada dívida é importante antes de partir para a quitação. Foto: iStock, Getty Images

Qual dívida pagar primeiro?

A educadora financeira Cíntia Senna dá três dicas importantes para a organização das contas em atraso. Confira:

Serviços essenciais

Para escolher qual dívida quitar primeiro, é preciso separar e identificar todas as contas existentes. Com isso, a prioridade vai para os serviços essenciais, como água, luz, telefone e gás, que correm risco de corte caso o pagamento não seja identificado.

Dívidas de valor

É interessante sempre levar em consideração os riscos. Por isso, dívidas de maior valor e que possuem bens em garantia – como imóveis e veículos – devem vir em segundo lugar nas prioridades. Afinal, o risco de ter o bem retomado deve ser evitado.

Juros mais altos

Na ordem de prioridades, as contas com juros mais altos devem vir em terceiro lugar. Geralmente, as maiores taxas são referentes ao cartão de crédito ou ao cheque especial.

Como limpar seu nome

Se você já está negativado, confira as dicas de Cíntia para tirar seu nome do cadastro de inadimplentes:

– Verifique quais são as dívidas que lhe levaram a sujar o nome

– Identifique qual a sua capacidade de pagamento atual dessa dívida

– Confira quanto terá disponível mensalmente para pagar em caso de acordo

– Entre em contato com todos os credores e negocie descontos para pagamento à vista. Caso precise de renegociação, aceite apenas o que for viável em relação a pagamento mensal e novo saldo devedor

– Após o prazo de cinco dias, o credor é responsável por tirar seu registro do cadastro de inadimplentes.

Preste atenção nessas contas

Condomínio

Não apenas pelo valor ou por ter o poder de negativar seu nome. O atraso no pagamento do condomínio pode levar o seu imóvel a leilão para a quitação da dívida. Nesse caso, é um patrimônio de valor muito elevado que está em risco.

IPTU

Assim como o condomínio, pode gerar a perda do bem. O processo, nesse caso, é muito mais lento do que no caso das cotas condominiais. Mas o risco é o mesmo.

Cartão de crédito e cheque especial

Aqui, cabe ressaltar uma questão interessante. Embora os juros rotativos aplicados a essas modalidades sejam altos, especialistas afirmam que, em alguns casos, é melhor recorrer aos juros para pagar outras contas (mesmo a um preço alto) do que ficar negativado.

Você vai se interessar por:

Seu nome protegido

Se você convive com dívidas, precisa conhecer o Vivo Alerta CPF. Entre as suas funções, está o envio de um SMS ao cliente toda vez que ocorrer uma alteração no status do seu nome nas bases de dados da Serasa Experian, toda vez que uma empresa consultar o nome do cliente nessa base de dados e ainda quando o seu nome estiver prestes a ser negativado.

Além disso, o cliente recebe exclusivas dicas antifraude e pode visualizar o relatório completo sobre o seu CPF.

> Vivo Alerta CPF: Receba alertas via SMS sempre que houver consultas a seu CPF

Descobriu qual dívida pagar primeiro? Compartilhe as dicas!

sair da casa dos pais
vale a pena economizar
vale a pena pegar empréstimo
emprestimo urgente para negativado
erros financeiros comuns
como aprender com erros de finanças