Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Meu imóvel foi a leilão: o fazer nessa situação?

A- A+

Em meio à dificuldade financeira, a conta do condomínio foi atrasando, assim como o pagamento da prestação do imóvel e, quando você menos esperava, veio a surpresa: meu imóvel foi a leilão! Será que tem como reverter essa situação?

E agora: meu imóvel foi a leilão

Lei permite entrar com recurso para anular leilão, mesmo um dia após o evento. Foto: iStock, Getty Images

Meu imóvel foi a leilão, e agora?

Se o seu imóvel foi a leilão, ao menos uma boa notícia: a Justiça sempre permite uma alternativa, ao menos no caso do pagamento de financiamentos, segundo informa a Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências (AMSPA).

Conforme a entidade, o decreto-lei 70/66 – o mesmo que permite o leilão extrajudicial nos casos de parcela em atraso – autoriza que o mutuário recorra, ainda que o leilão esteja agendado, e cancele o evento.

Nos financiamentos realizados por meio do Sistema Financeiro Habitacional (SFH), o leilão pode ser solicitado após o atraso de três parcelas. Já no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), o prazo reduz para apenas 15 dias de atraso.

Quando o bem realmente vai a leilão, o evento ocorre em duas datas. No primeiro agendamento, o imóvel é oferecido por um preço superior ao da avaliação. Caso não seja realizada a venda, ocorre um novo leilão, no qual o que vale é a melhor oferta.

A maioria dos leilões ocorre de forma extrajudicial, ou seja, o credor não precisa ingressar em juízo para alienar o bem. Já os leilões judiciais são realizados a pedido do Estado. Neste caso, a venda ocorre por ordem do juiz. Contudo, só pode ser efetivada quando todos os recursos para a não execução estiverem esgotados. Ainda assim, até um dia após o evento, o réu pode entrar com recurso.

Evitar atrasos é prevenir o leilão

Se você quer evitar a surpresa de ver seu imóvel indo a leilão, não tem outra saída: é preciso se organizar financeiramente e pagar em dia suas prestações (ou, quem sabe, comprar à vista). Confira três dicas essenciais para mais disciplina e controle do orçamento:

1. Estude o valor da parcela

Especialistas recomendam que os compradores nunca aceitem uma parcela superior a 30% dos seus rendimentos. Leve em consideração que um financiamento habitacional é muito longo, e você pode contar com imprevistos até o final do pagamento. Perda de emprego, separações ou problemas de saúde podem causar rombos no orçamento.

2. Faça uma planilha

Não importa o tamanho do seu salário. É importante fazer uma planilha para organizar os pagamentos – todos eles, não apenas os do imóvel. Manter a vida financeira organizada é a chave para evitar atrasos ou até mesmo a perda do patrimônio.

3. Construa uma reserva financeira

Guardar uma parte dos seus rendimentos todos os meses é a única forma de evitar um desgaste maior. Quando se vive com o orçamento apertado, qualquer encanamento furado ou um tratamento de saúde podem levá-lo ao endividamento. É preciso ter muito cuidado com isso.

Você vai se interessar por:

Assistência para sua casa

Para se proteger de qualquer emergência em sua casa, é importante contar com o serviço Vivo Assistência Casa e Auto. Com ele, você conta com serviços de eletricista e encanador para sua casa, socorro mecânico para seu automóvel e chaveiro para os dois, sempre que precisar, por apenas R$ 5,90 por mês.

> Vivo Assistência Casa e Auto: Garanta socorro em emergências na sua casa

Meu imóvel foi a leilão: conhece alguém nessa situação? Compartilhe as dicas!

investir em imóvel na planta vale a pena
como calcular a reforma de um apartamento
quanto custa um seguro de casa
como escolher uma seguradora de veiculos
preço de imoveis começa a cair
economizar no seguro da casa