Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Mantenha as contas de casa em dia e vença o endividamento

A- A+

Pagamentos atrasados, saldo no vermelho e dívidas que se acumulam até formar uma bola de neve. A situação parece familiar? Manter as contas de casa em dia exige disciplina, organização, planejamento e uma pitada de esforço. Você está pronto para ser recompensado?

Abandone os maus hábitos

Você já deve ter lido diversas recomendações sobre o que fazer para manter as contas em dia, mas entre a teoria e a prática, há um caminho nem sempre fácil. Se adotar boas atitudes parece difícil, que tal começar eliminando maus hábitos financeiros da sua rotina?

De acordo com o educador financeiro José Vignoli, do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), é importante lembrar que comprar não pode ser confundido com terapia. “A primeira coisa a não fazer é comprar por impulso ou sem precisar”, diz Vignoli.

Casal tentando reorganizar as contas de casa

É importante saber que atitudes evitar para não complicar mais as finanças. Foto: iStock, Getty Images

Um levantamento divulgado recentemente e realizado em todas as capitais e no interior do país pelo SPC Brasil e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostrou que mais de um terço (36,3%) das pessoas entrevistadas compra para aliviar o estresse.

O número é maior entre mulheres (43,7%) e consumidores das classes A e B (40,2%). Quase a metade (47,7%) admite comprar para se sentir bem. Outro dado diz que três em cada dez (29,5%) consumidores dizem que comprar melhora o humor e 24,5% confessam comprar quando se sentem deprimidos.

Como cuidar das contas de casa

Quer manter as contas e casa no azul? Confira as dicas de Vignoli, que elenca cinco atitudes ruins na gestão do dinheiro. Segundo ele, ao adotar esses maus hábitos, sua vida financeira caminha para o descontrole completo.

1. Viver sem planejar

É preciso fazer um planejamento para o futuro. Se você não planejar, não se organiza, e em situações de crise, pode ficar sem reservas.

2. Fugir dos extratos bancários

Não acompanhar o extrato bancário é um grande erro. Esse monitoramento deve ser voltado à evolução permanente de seus gastos e não apenas quando o limite estoura e o banco nega o saque.

Quando a crise financeira está instalada, a opção às pressas por um empréstimo prejudica a correta análise da melhor taxa e da real necessidade daquele crédito. Caso tivesse acompanhado os gastos antes, poderia ir freando o consumo conforme fosse observando o saldo.

3. Usar créditos sem precisar

As alternativas de crédito existem para serem utilizadas em caso de necessidade. É errado recorrer a elas apenas pela facilidade em ter dinheiro na mão. Esse tipo de conduta só gera uma dívida a mais.

Você vai se interessar por:

4. Aceitar tudo o que oferecem

As ofertas são tentadoras, mas não aceite tudo o que oferecem, mesmo que a promoção pareça boa. Pense se você realmente precisa e se é o momento de comprar.

5. Achar que tudo é fácil

Não pense que tudo é fácil: se você tiver se endividado, apenas pegar um empréstimo para pagar a dívida pode só aumentar o problema. É preciso diagnosticar o motivo do endividamento para não acontecer de novo e mudar a postura. Senão, acontece novamente. “É como tomar um remédio para a dor e não atacar a causa”, explica Vignoli.

 

E você, como faz para manter as contas de casa em dia? Deixe seu comentário.

melhor lugar para trabalhar
Crise política brasileira em 2016
Qual é a diferença entre consumidor compulsivo e impulsivo
Saúde financeira para maiores de 50 anos
Eles sabem como controlar os gastos da viagem
Já sabe o que fazer quando terminar a faculdade