Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Índice de Força Relativa acompanha movimentos nos preços de ações

A- A+

O mercado de investimentos exige um certo conhecimento técnico para não perder dinheiro em detalhes. Um dos indicadores mais importantes é o chamado Índice de Força Relativa (IFR). Você sabe o que é? Trata-se de um instrumento que monitora a velocidade e a mudança dos movimentos dos preços das ações.

Analisando o Índice de Força Relativa

Indicador ajuda a entender se ações estão favoráveis ou não para compra e venda. Foto: iStock, Getty Images

Índice de Força Relativa aponta tendências

A principal informação apontada pelo Índice de Força Relativa é quando o preço de uma ação está sobrecomprado ou sobrevendido.

Quando o preço está sobrecomprado, significa que o ativo passou por um movimento de valorização intenso ou prolongado e que está próximo de reverter, ou seja, iniciar um movimento de baixa, o que gera um risco maior para as operações de compra.

Já quando está sobrevendido, significa que o ativo passou por um movimento de desvalorização intenso ou prolongado e está próximo de reverter, ou seja, iniciar um movimento de alta, o que representa um risco para as operações de venda.

Como calcular o Índice de Força Relativa

Efetuar o cálculo do Índice de Força Relativa não é muito complexo, porém há várias etapas a serem realizadas para chegar ao resultado final.

A primeira delas é descobrir a Força Relativa (FR). A fórmula para chegar a ela consiste em dividir a Média de Ganhos (MG) dos fechamentos em alta pela Média de Perdas (MP) dos fechamentos em baixa (FR = MG / MP). Em outras palavras, as médias maiores pelas menores.

A Força Relativa, por sua vez, precisa de um período específico para ser calculada. O recomendado é 14 períodos – o que significa 14 dias. Assim, dentro do período escolhido, é necessário separar todos os dias de fechamento em alta dos dias de fechamento em baixa.

  • Média de Ganhos: a cada dia, é preciso subtrair o valor do fechamento anterior do valor do fechamento atual. No final, soma-se os resultados e divide-se pelo período. O resultado é a média de ganhos.
  • Média de Perdas: o cálculo é exatamente o contrário da média de ganhos. Basta pegar todos os valores dos fechamentos em baixa no período analisado e calcular o valor do fechamento anterior menos o valor do atual, a cada dia. Ao final do período – nesse caso, 14 dias – soma-se o resultado e se divide pelo período.

Com a média de ganhos e a média de perdas já devidamente calculadas, basta aplicar uma fórmula matemática. Sabendo que a Força Relativa (FR) é o resultado da Média de Ganhos (MG) dividida pela Média de Perdas (MP), o Índice de Força Relativa será obtido com o seguinte cálculo: IFR = 100 – (100 / 1 + FR).

Parece difícil? Lembre-se das aulas de matemática na escola. Basta resolver primeiro o que está dentro dos parênteses e, depois, fazer uma conta simples: 100 menos o valor obtido.

Vamos a um exemplo: Considere que o MG seja de 0,15 e o MP de 0,20. Assim, você terá FR de 0,75. Com esse número em mãos, o seu IFR será de 42,85.

Você vai se interessar por:

No que o IFR ajuda?

Você aprendeu a calcular o Índice de Força Relativa, mas como ele pode ajudar no seu investimento? Vale destacar que o IFR possui uma escala fixa, que vai de zero a 100. Com base nisso, a região de sobrecompra está nos resultados acima de 70 e a de sobrevenda, nos cálculos abaixo de 30. Essa informação vai ajudá-lo a tomar decisões na Bolsa de Valores de forma mais assertiva.

 

Gosta de informações sobre o mercado de ações? Cadastre-se e receba nossa newsletter.

O controle financeiro pessoal e o futebol
quando vale a pena comprar título de capitalização
oscilações da Bolsa de Valores
investir para viajar
agência de classificação de risco
investimento para quem tem ate R$ 10 mil