Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Inadimplentes no Brasil não devem quitar dívidas antes de 2017, diz pesquisa

A- A+

Se a crise é ruim para quem está com as contas em dia, torna-se ainda mais dura para os inadimplentes no Brasil. Para aqueles que têm dívidas e não conseguem pagá-las, o cenário deve permanecer negativo durante os próximos dois anos.

De acordo com pesquisa feita pelo Instituto de Gestão de Excelência Operacional em Cobrança, o Geoc, um terço dos inadimplentes no Brasil não conseguirão quitar seus débitos antes de 2017.

O estudo, realizado em outubro, teve amostragem nacional, com base em mais de 250 mil devedores de diferentes produtos, em todo território nacional.

Inadimplentes no Brasil vão demorar para pagar suas contas.

Momento econômico do país ajuda a manter em alta o números de inadimplentes. Foto: iStock, Getty Images

Inadimplentes no Brasil: algumas das causas

Embora não seja o único motivo, uma das razões que contribuem para que muitos brasileiros se mantenham na lista de inadimplentes, pelo menos até o ano de 2017, é o próprio cenário econômico do país.

É o que indica o educador financeiro Pedro Braggio. De acordo com ele, o aumento do desemprego contribui muito para que as pessoas não consigam pagar as contas.

Ele defende uma nova forma de encarar o momento: se a situação do consumidor mudou, os hábitos de consumo também precisam mudar. “Abrir mão de pequenos prazeres, como tomar café da manhã na padaria todos os dias, pode ajudar a melhorar a saúde do bolso”, exemplifica.

Mas não é só isso. De acordo com ele, às vezes, não é possível pagar as dívidas e ficar no azul, pois as pessoas acabam gastando mais do que recebem no final do mês, podendo gerar cada vez mais dívidas.

Para quem está endividado e com contas vencidas, o melhor a fazer é avaliar as prioridades. E cada caso tem a sua particularidade. Por exemplo, existem pessoas que preferem dar prioridade a quitar uma dívida familiar. “Se a pessoa não tiver preferência por qual dívida quitar, meu conselho é optar por aquelas que cobram juros altos e as que podem deixar o nome sujo”, aconselha Braggio.

Vale lembrar também que dívidas com cheque especial e com o crédito rotativo do cartão precisam ser negociadas e pagas o mais rápido possível, pois praticam algumas das taxas de juros mais altas do mercado brasileiro.

O que o inadimplente não deve fazer

Se você está entre os inadimplentes no Brasil e se preocupa com o cenário econômico, é interessante saber não apenas como agir, mas que condutas evitar. Não fugir dos credores é um ponto muito importante, defende o especialista.

Se você não tem dinheiro para pagar a parcela ou para negociar parte dela, converse com o credor. Faça entender a sua situação financeira e deixe claro que você tem intenções de negociar.  

Mas atenção: não prometa o que não vai cumprir. Só feche uma negociação com o valor que realmente conseguirá pagar. Caso contrário, a situação pode ficar ainda pior.

Também não insista em continuar com o mesmo padrão de vida e bens materiais. Em caso de inadimplência, alguns hábitos terão de mudar e não existe outra forma senão cortar drasticamente os gastos. “E, é claro, não se desespere. Por mais que o problema seja grande, há uma saída para ele”, finaliza Braggio.

Você vai se interessar por:

Seu nome protegido

Se você convive com dívidas, precisa conhecer o Vivo Alerta CPF. Entre as suas funções, está o envio de um SMS ao cliente toda vez que ocorrer uma alteração no status do seu nome nas bases de dados da Serasa Experian, toda vez que uma empresa consultar o nome do cliente nessa base de dados e ainda quando o seu nome estiver prestes a ser negativado.

Além disso, o cliente recebe exclusivas dicas antifraude e pode visualizar o relatório completo sobre o seu CPF.

> Vivo Alerta CPF: Receba alertas via SMS sempre que houver consultas a seu CPF

Gostou das dicas para deixar a relação de inadimplentes no Brasil? Compartilhe!

sair da casa dos pais
vale a pena economizar
vale a pena pegar empréstimo
emprestimo urgente para negativado
erros financeiros comuns
como aprender com erros de finanças