Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Inadimplência cresceu em 2015: descubra como fugir dela

A- A+

A inadimplência está crescendo no Brasil. De acordo com pesquisa realizada neste ano pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC – Brasil), o mês de abril fechou com um aumento de 2,83% no número de dívidas em atraso em comparação com março.

Números da inadimplência assustam

O país vive o maior crescimento de inadimplência para o período desde o começo da série histórica, em 2010. O SPC Brasil estima ainda que, entre março e abril de 2015, cerca de 600 mil consumidores foram incluídos em listas de negativados. Com o resultado, o pais já soma um total de 55,3 milhões de devedores, número equivalente a 37,9% da população entre 18 e 95 anos.

“A aceleração da inflação faz com que o planejamento financeiro seja prejudicado, já que há perda constante do poder de compra. Além disso, a escalada nas taxas de juros encarece as parcelas”, afirma Honório Pinheiro, presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Evitar as dívidas requer planejamento financeiro e estar com as contas sempre em dia. Foto: iStock, Getty Images

Evitar as dívidas requer planejamento financeiro e estar com as contas sempre em dia. Foto: iStock, Getty Images

Evitar a inadimplência requer planejamento

Tudo começa com o atraso na prestação de uma compra. Depois, você percebe que a fatura do cartão de crédito assumiu um valor que não cabe no seu orçamento e decide adiar o pagamento. Os juros se acumulam, a dívida aumenta e a situação sai de controle.

Para impedir que a sua vida financeira chegue a esse ponto, vale a pena planejar as finanças. Quando há contas e prestações acumuladas, esse processo pode parecer complicado, mas é importante compreender que a solução dos problemas depende apenas da sua própria capacidade de gestão.

Para Adriano Severo, educador financeiro, o primeiro passo é tentar renegociar a dívida, oferecendo aos credores uma proposta que permita quitar o débito. Lembre-se de priorizar as dívidas maiores. Feito isso, o importante não se descuidar mais. Para ajudá-lo, reunimos 4 dicas básicas:

Organização e planejamento

Com uma organização criteriosa e um planejamento financeiro adequado, fica muito mais fácil terminar o mês no sem usar mais dinheiro do que a sua renda permite. Reúna a família e, em conjunto, faça um levantamento de tudo que é gasto no mês. Em seguida, compare o valor com a sua receita. Defina prioridades e, se for preciso, não hesite em cortar gastos.

Poupança

Você não precisa gastar todo o dinheiro que ganha em um mês. Pelo contrário, o ideal é sempre guardar um valor determinado para juntar uma poupança e criar uma reserva financeira, que vai dar suporte em casa de emergências.

Uso racional do crédito

As ofertas de crédito são amplas, mas costumam vir acompanhadas de juros. Quando você paga o mínimo da sua fatura, por exemplo, apenas está criando uma nova dívida e aumentando o seu valor. O importante é sempre manter os gastos dentro de um limite que você consiga dar conta

Consumo inteligente

Crie consciência e assuma um hábito de consumo inteligente e racional, livre de impulsos. Evite levar as crianças para o supermercado e reflita, sempre, se você realmente precisa do produto. É possível encontrar ofertas e promoções todos os dias, mas isso não significa que você é obrigado a comprar.

Monitore o seu CPF

Quer estar sempre atento às movimentações que ocorrem no seu CPF? Para ajudar a identificar fraudes envolvendo seu documento, conheça o Vivo Alerta CPF, um recurso oferecido pela Vivo em parceria com a Serasa Experian. Ele permite que você receba notificações via SMS sempre que:

  • Ocorrer uma alteração no status de seu CPF nas bases de dados da Serasa Experian
  • Uma empresa consultar seu nome nas bases de dados da Serasa Experian
  • Uma empresa estiver prestes a negativar o seu nome nas bases de dados da Serasa Experian.

Gostou das dicas sobre inadimplência? Compartilhe!

Empréstimo ou financiamento
sair da casa dos pais
vale a pena economizar
vale a pena pegar empréstimo
emprestimo urgente para negativado
erros financeiros comuns