Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Imóveis em queda? Entenda se é a hora certa para comprar

A- A+

O preço dos imóveis registrou em março um aumento de 0,14% na comparação com fevereiro. Na relação com o mesmo período do ano passado, a alta foi de 5,34%. Os números são do Índice FipeZap, e mostram que, nas duas bases de comparação, a variação de preço foi inferior ao Índice de Preços ao Consumidor – Amplo (IPCA), a inflação oficial, medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o Boletim Focus/Banco Central, o aumento esperado para o IPC-A em março é de 2015 é de 1,4%. Na base anual, a variação é de 8,21%. Em sete anos, esta foi a menor variação registrada no FipeZap, o que pode indicar imóveis em queda.

A aparente calmaria, porém, não deve ser vista como sinal verde para a corrida ao mercado imobiliário. Nos últimos anos, os valores dos imóveis sofreram grandes elevações, o que significa que, apesar das variações menores do que a inflação, os montantes seguem caros. Pode-se ter uma noção disso ao analisar-se o valor do metro quadrado, ainda na faixa entre R$ 8 e R$ 10 mil nas grandes cidades brasileiras.

imoveis-em-queda

Nos últimos anos, os valores dos imóveis sofreram grandes elevações. Foto: iStock, by Getty Images

Imóveis em queda: bancos públicos aumentam juros

Não é segredo para ninguém que o momento é de instabilidade econômica. Para completar, os dois principais bancos públicos anunciaram em 2015 más notícias para o interessados em comprar imóvel financiado. Em janeiro, a Caixa Econômica Federal elevou os juros para o financiamento com recursos da poupança. Três meses depois, anunciou o novo reajuste das mesmas taxas. E, ainda em abril, reduziu o percentual máximo de financiamento de imóveis usados, de 80% ou 70% para 50% ou 40% do valor de avaliação. Já em maio, foi a vez de o Banco do Brasil informar a alta dos juros.

Segundo especialistas, o resultado, além da própria retração no número de contratos de financiamento firmados com os bancos oficiais, será provavelmente uma migração dos mutuários para as instituições privadas. Apesar de, mesmo após os reajustes, os bancos particulares ainda terem taxas de juros maiores que as da Caixa e do Banco do Brasil, eles têm maior maleabilidade para facilitar as condições de pagamento.

Na Caixa, usados podem ser até 50% financiados

Conforme as novas regras, os financiamentos via Caixa, dentro do Sistema Financeiro Habitacional (SFH), passam a ser de até 50% do valor para imóveis usados, e não mais 80%. O SFH financia unidades de até R$ 750 mil no Distrito Federal, em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, e de até R$ 650 mil no resto do país. No Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), que financia imóveis acima desses valores, o percentual de empréstimo caiu de 70% para 40%. Já as taxas de juros passaram a variar de 9% para 9,45% para o SFH. No SFI, oscilam de 10,5% a 11% ao ano.

No Banco do Brasil, a taxa de juros máxima anual para financiamentos até 80% do valor da unidade nova ou usada subirá de 9,9% para 10,4% ao ano a partir de 18 de maio. O Bradesco também financia até 80% de novos ou usados. Para os avaliados em até R$ 750 mil, as taxas são 9,6% ao ano. Acima desse valor, os juros ficam em 10,3%.

Na hora de comprar imóvel, vale pesquisar e negociar

Independentemente das mudanças no cenário, estando os imóveis em queda ou não, o interessado em comprar imóvel deve sempre tomar medidas essenciais para fechar um bom negócio – seja agora ou mais tarde. Primeiro: é fundamental pesquisar e avaliar os percentuais financiados e as taxas de juros, para descobrir qual instituição oferece as condições mais vantajosas.

Para quem tem condições, vale a pena dar a maior entrada possível. Assim, o saldo a ser financiado é reduzido, assim como o montante de juros. Além disso, o comprador precisa buscar imóveis adequados ao seu poder aquisitivo, para evitar que, posteriormente, acabe inadimplente pela incapacidade de honrar as parcelas. Outra dica é visitar salões e feiras de imóveis, onde o cliente poderá negociar e obter melhores condições em prazos e taxas de juros.

> Seguros para seus bens: Proteção da sua casa até sua bolsa, mochila e carteira

Gostou das dicas para imóveis em queda? Compartilhe!

cooperativa habitacional
Comprar casas em Orlando é opção
Como é morar no campo
Trabalhando na reforma de casas antigas
Como escolher corretora para Tesouro Direto
Uso de LED no projeto de iluminação residencial