Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Guia da Proteste oferece apoio ao consumidor endividado

A- A+

Em tempos de instabilidade no cenário econômico, é comum se deparar com a insegurança para organizar as finanças e lidar com contas atrasadas. Quando isso ocorre, todo o tipo de auxílio para trazer uma luz às suas ações é bem-vindo. Se compartilha dessa ideia, vai gostar de conhecer o guia de apoio ao consumidor endividado lançado pela Associação de Consumidores Proteste.

A publicação online tem como objetivo auxiliar sobre pagamentos de contas, renegociações de dívidas, bom uso do cartão de crédito, construção de reserva para emergências e outros detalhes que atacam o endividamento e visam o equilíbrio financeiro.

Homem busca apoio ao consumidor

Reconhecer a dívida e buscar a renegociação é alternativa para sair do vermelho. Foto: iStock, Getty Images

Um alerta contra o endividamento

Para saber como andam as finanças, o controle deve ser constante. O ideal é colocar na ponta do lápis quais são os rendimentos mensais e quais as despesas fixas no mês. Segundo o guia da Proteste, o “alerta do endividamento” deve ser ativado quando a pessoa tiver 30% do seu orçamento comprometido com dívidas.

Nesse caso, o devedor ainda tem boas chances de reverter a situação, apertando os cintos e eliminando gastos supérfluos. Já aqueles cujo grau de endividamento ultrapassa os 50% devem apostar em uma mudança no estilo de vida, cortando ainda mais gastos e produtos por opções mais em conta.

Mas há pessoas em situação ainda pior: aqueles que já tem 100% da renda comprometida formam o grupo dos chamados superendividados. Nesse cenário, medidas radicais são necessárias, como a venda de algum bem ou mesmo uma mudança para uma casa mais em conta.

Segundo o guia de apoio ao consumidor da Proteste, as chamadas rendas extras, como o 13º salário, férias ou uma eventual restituição do Imposto de Renda, devem ser usadas para a quitação ou amortização das dívidas. Nestas situações, a renegociação do débito pode ser uma alternativa vantajosa.

Apoio ao consumidor na renegociação

No guia de apoio ao consumidor da Proteste, é possível conhecer as opções e conferir dicas para renegociar as dívidas. É importante o endividado saber que poderá obter a ampliação dos prazos de pagamento ou, dependendo dos casos, a redução nas taxas de juros ou encargos.

O contato com o credor é fundamental para quem tem débitos a quitar, manifestando na oportunidade a dificuldade financeira, mas a intenção de colocar as contas em dia. Só não cometa o erro de se comprometer com um tipo de acordo que ultrapassa a sua capacidade de honrar.

Para evitar nova inadimplência, o orçamento deverá ser ainda mais controlado. Saber o quanto você ganha e no que o seu dinheiro está sendo investido é a maneira mais eficaz de não contrair dívidas além do que você pode pagar.

Além do desemprego, o descontrole financeiro é uma das principais causas do endividamento, conforme indicou pesquisa realizada neste ano pela Serasa Experian.

Em tempos de crise, é importante que o consumidor tenha consciência na hora da compra, ponderando se o produto é realmente necessário e se esse é o melhor momento de adquiri-lo.

Você vai se interessar por:

Seu nome protegido

Se você convive com dívidas, precisa conhecer o Vivo Alerta CPF. Entre as suas funções, está o envio de um SMS ao cliente toda vez que ocorrer uma alteração no status do seu nome nas bases de dados da Serasa Experian, toda vez que uma empresa consultar o nome do cliente nessa base de dados e ainda quando o seu nome estiver prestes a ser negativado.

Além disso, o cliente recebe exclusivas dicas antifraude e pode visualizar o relatório completo sobre o seu CPF.

> Vivo Alerta CPF: Receba alertas via SMS sempre que houver consultas a seu CPF

O que você achou das dicas de apoio ao consumidor endividado da Proteste? Para saber mais, baixe a cartilha completa e evite a dor de cabeça do endividamento. Aproveite e compartilhe as dicas desse artigo!

sair da casa dos pais
vale a pena economizar
vale a pena pegar empréstimo
emprestimo urgente para negativado
erros financeiros comuns
como aprender com erros de finanças