Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Entenda quando a venda casada acontece e veja como se proteger

A- A+

Você já foi obrigado a comprar um produto ou serviço que não queria apenas para conseguir adquirir aquele que realmente lhe interessava? A prática de venda casada, embora relativamente comum no Brasil, é proibida pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). E isso acontece por que nem todas as empresas cumprem as regras como deveriam, assim como muitos são aqueles que desconhecem os seus direitos.

A prática de venda casada é proibida pela defesa do consumidor.

Idec alerta que o consumidor não pode aceitar a imposição de venda casada. Foto: Shutterstock

O que é venda casada?

Um pacote telefônico que foi cobrado em sua conta sem você saber. O medicamento que só podia ser comprado se você levasse três caixas de uma vez. O serviço adicional “empurrado” para fechar a compra de um carro. Todas essas práticas, comuns e abusivas, são consideradas como venda casada pelo CDC. E são proibidas.

É no artigo 39, inciso I, que consta essa proibição. O texto veta práticas abusivas como condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto ou serviço. A regra é valida também para a imposição, sem justa causa, de limites quantitativos.

A lei diz ainda que todos os produtos ou serviços enviados ou disponibilizados ao consumidor sem sua solicitação são considerados amostras grátis e não podem ser cobrados.

Esse tipo de prática é, portanto, considerada como um crime contra a ordem econômica e contra as relações de consumo, alerta o Idec, Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.

A ocorrência de venda casada

Apesar de toda a proibição, a venda casada segue sendo praticada no Brasil. Uma pesquisa realizada pelo Idec aponta que três dos seis principais bancos do país realizam esse tipo de imposição sobre clientes, principalmente na concessão de empréstimos pessoais.

Segundo informações do instituto, o estudo foi realizado entre os meses de junho e julho de 2014 e identificou que instituições bancárias inseriram no empréstimo um seguro de proteção ao crédito que não foi solicitado pelo consumidor.

O Idec ainda realizou uma pesquisa com internautas e concluiu que 70% dos entrevistados já foram vítimas de venda casada. Eles foram obrigados por seus bancos a adquirir empréstimos ou financiamentos, seja por inclusão não autorizada em algum outro produto comprado anteriormente ou por alegação de que, sem esse serviço extra, o crédito não seria liberado.

Você vai se interessar por:

Como o consumidor deve agir

As informações do Idec indicam que o consumidor não deve e não pode aceitar a imposição de venda casada em suas relações de consumo. É importante que ele reaja e saiba como proceder, para que possa se proteger de práticas abusivas. Isso também ajuda a evitar que outras pessoas venham a ser vitimadas pela mesma empresa.

O Idec aconselha que o consumidor procure o gerente do estabelecimento ou agência no momento em que o vendedor ou agente impuser algum serviço ou cota mínima para a venda.

Em casos de inclusão não autorizada, a dica é não pagar a conta e acionar a empresa. Se a prática prosseguir, é importante formalizar denúncia contra a empresa junto aos órgãos de defesa do consumidor.

 

E você? Também já sofreu com a tentativa de venda casada? Comente!

Comprar tablet
Mulher entende o que é carnê-leão
Comprar smart tv
micro-ondas ou forno elétrico
geladeira com freezer ou congelador
vale a pena comprar produtos da apple