Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Entenda a diferença entre seguro de condomínio e residencial

A- A+

Burocracia pode não ser agradável, é verdade, mas quase sempre é importante. Saber a diferença entre seguro de condomínio e seguro residencial, por exemplo, é essencial para que você não tenha surpresas desagradáveis justamente na hora em que mais precisar.

Seguro de condomínio é igual ao residencial?

É comum pensarmos que são modalidades idênticas, com as mesmas coberturas. Porém, não é exatamente assim que funciona, embora o foco esteja na proteção do patrimônio.

O seguro de condomínio contempla incêndios, queda de raio, explosão, vendaval, queda de aeronaves e fumaça. Também inclui indenização por danos a veículos por queda de portões automáticos e objetos.

Conceito de seguro de condomínio

Proteção do patrimônio é objeto do seguro de condomínio e do residencial. Foto: iStock, Getty Images

A contratação de seguro da edificação contra o risco de incêndio ou destruição, total ou parcial, é determinada por lei, conforme prevê o artigo 1.346 do Código Civil. Essa é a única segurança de que, em caso de sinistro, o prejuízo será reduzido ao máximo. Sua contratação deve ser realizada pelo síndico.

O problema é que mesmo administradores experientes cometem erros recorrentes em relação à contratação do seguro de condomínio. É importante saber que o valor da cobertura está limitado à reconstrução do prédio e não à soma dos valores das unidades autônomas – confusão que é bastante comum. Terreno e fundações do imóvel não são contabilizados.

Por outro lado, é fundamental avisar a seguradora caso o sinistro comece em uma área privativa, pois a lei prevê cobertura nesses casos. É importante também ficar atento à renovação. A depreciação do imóvel não deve ser considerada para que os valores não sejam reduzidos caso a cobertura se faça necessária.

Também é essencial que a seguradora seja informada com riqueza de detalhes sobre o sinistro. Comunicar a ocorrência via telefone ou e-mail sem registrar dados como data, hora, circunstâncias do ocorrido, imóveis atingidos e todos os danos pode prejudicar os moradores quanto à indenização. Lembre-se que a comunicação é um registro formal.

Em caso de veículos atingidos, nunca se deve solicitar ao morador lesado que ele faça orçamentos para reparos. Lembre-se que é a seguradora que deve disponibilizar a lista das oficinas credenciadas autorizadas a executar o serviço.

E o seguro residencial?

Já o seguro residencial também prevê as coberturas mencionadas acima, que podem ser contratadas de forma adicional, mas sua principal finalidade é cobrir danos à residência – e não ao condomínio. Nesse caso, também está previsto o pagamento de aluguel do imóvel danificado durante sua reconstrução ou reforma.

A indenização para roubo ou furto qualificado também pode ser contratada nesses casos, assim como para danos elétricos, vidros e espelhos, alagamentos e inundações e até mesmo para o impacto de veículos.

Outra característica do seguro residencial é que ele prevê indenização em caso de Responsabilidade Civil Familiar. Isso significa que se você ou um familiar prejudicar alguém de forma involuntária, também há uma cobertura prevista. Nesse caso, há diversas modalidades. A mais comum é para a hipótese de danos a terceiros.

Também é possível obter indenização por morte ou invalidez de empregado doméstico – no caso de acidentes de trabalho – ou ainda o reembolso da indenização por danos corporais e materiais durante a prática de esportes.

Em muitos casos, a modalidade tem a vantagem de contar com assistência 24 horas. Uma das mais tradicionais é o serviço de chaveiro.

Coberturas adicionais são válidas?

Mas com tantas possibilidades, como saber se vale a pena contratar as coberturas adicionais? Uma dica é verificar o valor total disponível par cada opção. Muitas vezes, a indenização pode não ser satisfatória.

Apesar de o valor de uma casa ou apartamento ser bastante alto, isso não significa que o cliente irá pagar uma fortuna para ter direito ao seguro. Paga-se um valor anual de acordo com a cobertura contratada, mas que geralmente fica muito abaixo do que o usuário imagina.

Antes de assinar o contrato, é fundamental ler atentamente todas as cláusulas e prestar atenção aos itens que não estão cobertos. Objetos de coleção, raridades e documentos são apenas alguns deles.

Você vai se interessar por:

Seguro para os seus bens

Se você tem um imóvel, uma boa dica é contratar uma proteção extra. Clientes Vivo podem contratar seguro residencial que garante, entre outras coberturas, amparo contra incêndio, raio e explosão. A apólice garante o pagamento de uma indenização, quando ocorrer danos à sua residência ou ao seu conteúdo.

O seguro ainda cobre prejuízos decorrentes de roubo ou furto qualificado, de problemas causados por danos elétricos e Responsabilidade Civil Familiar.

> Seguros para seus bens: Garanta proteção contra incêndio, raio, danos elétricos, roubo e furto

Tirou suas dúvidas sobre o seguro de condomínio? Compartilhe!

Dicas para quem pensa em vender bens para pagar dívidas
investir em imóvel na planta vale a pena
vale a pena investir na decoração de uma casa para alugar
dividir aluguel com alguém
cooperativa habitacional
por que a poupança rende tão pouco