Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Entenda como funciona a compra de dívidas de empréstimos

A- A+

Você sabia que é possível “vender” o empréstimo consignado de um banco para outro? A chamada compra de dívidas, ou recompra, pode ser realizada entre instituições e funciona como uma portabilidade de crédito.

Em linhas gerais, na compra de dívidas, um banco paga o saldo devedor de quem tomou empréstimo de uma outra instituição financeira e passa a ser o novo credor da dívida. Apesar de possuir algumas vantagens para o tomador do empréstimo, é preciso estar atento a pré-requisitos para ter acesso à modalidade de operação.

Essa operação é indicada para quem precisa de dinheiro e não possui mais margem para consignação.

Para a operação, devedor precisa ter adquirido um empréstimo consignado. Foto: iStock, Getty Images

Como funciona a compra de dívidas

Na operação financeira da compra de dívidas, são considerados os valores das parcelas que já estão descontadas na folha de pagamento. O interessado faz a solicitação do boleto do saldo devedor para o banco detentor dos empréstimos atuais, para que seja feita a liquidação antecipada pelo novo banco credor.

Em seguida, o novo banco credor faz a quitação do saldo devedor da outra instituição financeira e libera para o interessado no crédito um contrato novo de empréstimo, que segue as políticas de juros e prazos da nova instituição.

O dinheiro liberado ao tomador do empréstimo corresponde à diferença entre o empréstimo novo e o antigo. Outra vantagem da compra de dívidas é a possibilidade da diminuição do número de parcelas que estão sendo descontadas na folha atualmente.

Exemplo de compra de dívidas

Empréstimo na instituição antiga

Prazo: 60 meses

Valor da parcela: R$ 250,00

Saldo devedor: R$ 4.000,00

Empréstimo na nova instituição

Prazo: 60 meses

Valor da parcela R$ 200,00

Novo crédito: R$ 10.000,00

Saldo para o cliente: R$ 10.000,00 – R$ 4.000,00 = R$ 6.000,00.

Quanto maior for a quantidade de parcelas já quitadas do empréstimo antigo, maior o saldo que o tomador embolsa com a compra de dívidas. Esse valor de diferença entre o empréstimo antigo e o novo é depositado pela nova instituição financeira credora da operação diretamente na conta corrente do contratante.

Você vai se interessar por:

Saiba o que fazer quando a renegociação de dívidas falha

Conheça os tipos de dívidas mais comuns e cuide das suas finanças

Prescrição de dívidas: conheça os prazos e descubra se vale aguardar

Para quem a modalidade é indicada

Para poder ter acesso à operação de compra de dívidas, o devedor precisa cumprir alguns pré-requisitos, como ter adquirido um empréstimo consignado, aquele em que as parcelas são descontadas diretamente na folha de pagamento, e ser funcionário público, aposentado ou pensionista.

A compra de dívidas de empréstimos é direcionada para servidores federais civis e militares (Siape), servidores municipais ou dos estados, militares das Forças Armadas do Exército, Marinha e Aeronáutica e aposentados e pensionistas do INSS.

Vale lembrar que a aquisição dos novos empréstimos é condicionada aos prazos e valores máximos permitidos para cada órgão público.

A operação é indicada para quem precisa de dinheiro e não possui mais margem para consignação (o limite atual é de 35% da renda do trabalhador, sendo 5% pra uso exclusivo de dívidas de cartão de crédito) ou para quem quer reduzir o valor das parcelas, aproveitando juros mais baixos de uma outra instituição.

 

Gostou de conhecer a compra de dívidas? Deixe um comentário.

É importante entender de finanças bem antes de sair de casa.
sair da casa dos pais
vale a pena economizar
vale a pena pegar empréstimo
emprestimo urgente para negativado
erros financeiros comuns