Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Dupla arroz feijão mais cara: como economizar no seu prato favorito?

A- A+

Muitos brasileiros têm na junção de arroz, feijão, batata frita e bife o seu prato favorito. Mas a combinação mais popular de alimentos, presente com muita frequência em nossas mesas, está ficando mais cara.

Foi o que identificou uma pesquisa realizada pela Associação Paulista de Supermercados. Se continuar nesse ritmo, aquele tradicional xingamento “vá plantar batatas!” pode ser seguido ao pé da letra.

Elas – as batatas – apresentaram a maior alta nos últimos 12 meses, subindo 99,62%. O bife, que já era caro, continua sofrendo reajustes. A alcatra subiu 15,77% no período e o coxão-mole ficou 11,31% mais caro. A tradicional dupla “arroz feijão” também está valorizada: o primeiro teve alta de 4,99% e o segundo, de 39,29%.

Dupla arroz feijão sempre presente no prato dos brasileiros.

É preciso fazer o dinheiro render mais para manter seu prato favorito na mesa. Foto: iStock, Getty Images

Arroz, feijão, batata frita e bife com economia

O preço mais elevado não significa que você precise deixar de consumir esses itens. A educadora financeira Cíntia Senna dá dicas para você continuar com sua alimentação tradicional sem pesar tanto no bolso.

Para economizar e manter seu prato preferido na mesa, algumas medidas podem ser tomadas, como pesquisar em diversas redes de supermercados, açougues e feiras – caso você mesmo prepare sua refeição.

Se você come fora, pode comparar restaurantes. Outra medida também é juntar amigos e vizinhos e realizar a compra coletiva, pois no atacado sai mais em conta do que no varejo.

Outra atitude que muito ajuda é trocar as marcas dos produtos adquiridos – a economia poderá superar os 30%. Se colocar em prática essas atitudes, conseguirá manter esses alimentos na mesa sem gastar além do desejado.

Alternativas à tradicional dupla

Se os preços continuarem a subir, talvez a saída seja seguir os conselhos mais frequentes dos educadores financeiros, que é a substituição. Em momentos de alta dos preços de produtos que são mais consumidos, e consequentemente mais procurados, busque novos cardápios, novas refeições, às vezes até mais saudáveis.

Assim, você conhece outros sabores e ainda economiza. Alguns alimentos que podem ser substituídos por esses são a lentilha, feijão branco, arroz integral, saladas, grão de bico, mandioca e cenoura, por exemplo.

Você vai se interessar por:

Drible os preços

Você não pode deixar de comer, certo? Porém, com os altos índices de inflação – que reflete no aumento do valor da cesta básica – não são apenas o arroz, feijão, batata e bife que estão mais caros. Quase todos os itens, além dos serviços, estão apresentando alta nos preços.

Em julho, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) já mostrava uma queda de 4,72% nas vendas dos estabelecimentos em todo o país. O jeito, então, é mudar hábitos para fazer o dinheiro render mais.

No supermercado, o segredo é abrir mão da fidelidade às marcas e substituir produtos. Mas alguns cortes também são importantes. Com os reajustes frequentes nos preços, a saída é eliminar os itens supérfluos, adquirindo apenas o necessário. Assim, fazer as compras semanalmente é melhor que o rancho mensal – nesse caso, geralmente se compra mais que o necessário.

 

E você? Como fazer para manter a dupla “arroz feijão” no prato? Comente!

vale a pena usar roupas de marca
feiras de trocas
vale a pena economizar
dividir aluguel com alguém
limite do cartão de crédito
exemplos de produtos supérfluos