Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Conheça as regras de saque antes de investir em previdência privada

A- A+

Planejando uma aposentadoria mais tranquila? Investir em previdência privada requer um mínimo de educação financeira. E isso inclui utilizar os planos para seus devidos fins, ou seja, retirar o dinheiro somente após o previsto inicialmente. Quando sua pretensão é sacar em curto prazo, há outros produtos financeiros mais indicados.

Isso não significa, no entanto, que o usuário não possa sacar o dinheiro quando quiser. Tanto na modalidade PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) quanto VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre), isso é permitido. No entanto, sempre haverá incidência de impostos, o que pode reduzir a atratividade da operação.

Quando se trata de planos de previdência privada fechados, as condições de resgate podem ser totalmente diferentes. Nesse caso, além de verificar o que está em contrato, pode ser necessário consultar o gestor do fundo.

Pensando em investir em previdência privada

Para quem pensa em construir uma reserva financeira, saque deve ser evitado. Foto: iStock, Getty Images

Como investir em previdência privada

Para dar uma ideia mais clara da incidência de impostos sobre um plano de previdência privada, ela pode ocorrer de duas formas diferentes.

Quando o regime de tributação é regressivo, o Imposto de Renda começa com alíquota de 35%, que pode durar até dois anos, sendo reduzida em 5% a cada biênio e podendo chegar a 10% para prazos maiores que dez anos.

Já o regime progressivo também segue a tabela do Imposto de Renda, porém com alíquota que pode chegar a 27,5%. O especialistas alertam, contudo, que o saque antecipado pode causar prejuízos ao investidor, uma vez que os planos não beneficiam investimentos de curto prazo.

Lembre-se, antes de mais nada, que os planos de previdência privada têm por finalidade complementar a aposentadoria ou prover os filhos no início da vida adulta – seja para o pagamento da faculdade ou para a compra de um carro.

Saque antecipado é mau negócio

Se você pensa em investir em previdência privada, é importante ponderar. Para que fique claro o tamanho do prejuízo ao sacar antecipadamente, vamos tomar como exemplo um plano com rendimento de 0,5% ao mês. Se, todos os meses, o investidor depositar R$ 12 a menos, em 20 anos, isso significará um rombo de R$ 5.544,00. Imagine, então, antecipando um saque maior.

Se a tentação de sacar for grande – sobretudo em caso de necessidade – primeiro organize suas finanças e avalie se há outra forma de conseguir o valor desejado.

Em muitos casos, é preferível readaptar o estilo de vida para uma nova realidade do que mexer em um rendimento que poderá ser a sua garantia de futuro.

Para evitar casos de extrema necessidade, o meio mais eficaz é construir uma reserva financeira. E a melhor forma de consegui-la é separando uma quantia mensal, que pode ser colocada em um investimento que não gere perdas por saques, como a poupança – embora pouco atrativa no cenário atual de inflação alta.

Se, mesmo após controlar seu orçamento mensalmente, ainda está difícil de separar uma reserva, a dica é apostar em uma segunda atividade para garantir renda extra. Com organização e disciplina, será possível investir em previdência privada e manter seu dinheiro intacto até o fim.

Você vai se interessar por:

Segurança para você e sua família

Mais do que estar com suas finanças protegidas, manter a segurança da sua família é a melhor dica. Com o Seguro de Vida Plus, você protege seus beneficiários em caso de morte e morte acidental e ainda conta com auxílio funeral. Entre em contato com Central de Relacionamento – Parceria Seguros Vivo e contrate o seu.

> Seguros para Você: Conheça seguros de vida e acidentes pessoais

Gostou das dicas para investir em previdência privada? Compartilhe!

O controle financeiro pessoal e o futebol
Planejando a aposentadoria de pessoa com deficiência
o que é previdência complementar
tempo de aposentadoria por idade
aporte em previdência privada
Ela aposta na longevidade saudável