Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Comprar ou alugar imóvel: como identificar o melhor negócio?

A- A+

Pesquisa divulgada no ano passado pela Global Entrepreneurship Monitor indica que 43% dos brasileiros tem como principal sonho a aquisição da casa própria. Diante de um índice tão expressivo, é natural imaginar que não haja dúvidas entre comprar ou alugar imóvel. Mas apenas a preferência do consumidor não indica o melhor negócio.

Pode até soar estranho se fazer esse questionamento se você tem como meta ser dono do próprio lar. Mas ele é importante, sobretudo nos tempos de crise atuais. Afinal, o mercado já levanta suspeitas sobre a vantagem da compra.

Casal decide entre comprar ou alugar imóvel

Juros do financiamento podem ser decisivos para encontrar o melhor negócio. Foto: iStock, Getty Images

A dúvida entre comprar ou alugar imóvel

Se por aqui essa avaliação por vezes fica em segundo plano, nos Estados Unidos, já há quem estude melhor a proposta para ver se realmente vale a pena adquirir um imóvel devido aos altos custos de financiamento. O consultor financeiro norte-americano Willian Bernstein criou uma equação para tirar essa dúvida.

Bernstein, que também é autor de If you can: how millenials can get rich slowly – um dos livros mais indicados sobre finanças, porém ainda sem tradução em português – explicou, em uma entrevista ao The New York Times, sua fórmula para avaliar a compra.

E parece bastante simples. Segundo ele, não seria vantajoso pagar um valor superior a 15 anos de aluguel mensal. A teoria é que gastar mais que 180 meses de aluguel pode ser uma perda, pois esse dinheiro poderia ser utilizado em investimentos mais rentáveis.

Naturalmente, a economia brasileira se comporta de maneira diferente, sobretudo em relação ao mercado imobiliário (leia-se: taxas de financiamentos e prazos). Assim, não é tão simples utilizar apenas uma equação para tomar uma decisão tão séria, que irá acarretar mudanças financeiras ao longo de muitos anos, como optar entre comprar ou alugar imóvel.

Contudo, a teoria de Bernstein traz uma lição importante: a necessidade de fazer uma reflexão antes de realizar um investimento que será longo. É essencial estudar bastante as taxas de juros e calcular quanto você terá gasto ao final de 20 ou 30 anos de financiamento.

A realidade brasileira

O consultor financeiro Rafael Seabra, do blog Quero Ficar Rico, fez uma análise do mercado brasileiro. Pelas suas conclusões, o financiamento não é a solução mais inteligente, dependendo do valor pretendido.

Supondo que você queira comprar uma casa que vale R$ 300 mil e já tenha esse dinheiro no banco, a probabilidade maior é que seja um mau negócio.

Isso porque o seu dinheiro, desde que bem aplicado, pode render em torno de R$ 2,5 mil ao mês. Com esse valor, você pagaria um aluguel de imóvel equivalente e manteria o capital. O mais vantajoso, nesse caso, é locar um imóvel de valor menor (em torno de R$ 1,5 mil) e reinvestir a diferença.

Já para uma compra a prazo, os números são diferentes. Na simulação de financiamento de um imóvel no valor de R$ 361 mil, com 80% dele (ou seja, R$ 288 mil) financiados pela Tabela SAC em 420 meses e pagando R$ 72 mil de entrada, a primeira parcela seria de R$ 2.924,68 e a última ficaria em R$ 717,73.

Se você tiver um conhecimento mínimo sobre a Tabela SAC, vai ver que já sairia pagando mais de R$ 2,2 mil somente em juros. Se resolvesse alugar um imóvel equivalente, pagaria em torno de R$ 1,8 mil de aluguel mensal – via de regra, o aluguel é 0,5% do valor do imóvel.

Qual a conclusão disso? Se você tiver em torno de R$ 3 mil para pagar a prestação, mas resolver alugar um imóvel de R$ 1,8 mil, a diferença de R$ 1,2 mil pode ser investida todos os meses e, dentro de 15 anos, você teria o recurso para comprar um imóvel à vista.

A grande vantagem, nesse caso, é que você terá um imóvel realmente seu nesse período, e novinho em folha. Pelo financiamento, durante 35 anos, ele seria do banco e você pagaria muito mais juros.

Você vai se interessar por:

Seguro para os seus bens

Se você tem um imóvel, uma boa dica é contratar uma proteção extra. Clientes Vivo podem contratar seguro residencial que garante, entre outras coberturas, amparo contra incêndio, raio e explosão. A apólice garante o pagamento de uma indenização, quando ocorrer danos à sua residência ou ao seu conteúdo.

O seguro ainda cobre prejuízos decorrentes de roubo ou furto qualificado, de problemas causados por danos elétricos e Responsabilidade Civil Familiar.

> Seguros para seus bens: Garanta proteção contra incêndio, raio, danos elétricos, roubo e furto

E para você, o que vale mais: comprar ou alugar imóvel? Comente!

investir em imóvel na planta vale a pena
crédito para financiar casa própria
casa para família numerosa
casa dos sonhos
Comprar casas em Orlando é opção
Como é morar no campo