Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Compensação de cheques: um guia para solucionar suas dúvidas

A- A+

Apesar de ter caído em desuso nos últimos anos, em virtude da predominância das transações eletrônicas, o cheque ainda é um importante documento de pagamento para os brasileiros. Por isso, é importante conhecer os detalhes que envolvem a compensação de cheques e não ficar na dúvida.

Como funciona a compensação de cheques

Toda e qualquer operação com cheque envolve três agentes:

  • Emitente: quem emite o cheque
  • Beneficiário: a favor de quem o cheque é emitido
  • Sacado: o banco onde está depositado o dinheiro do emitente.

Assim, para fazer a compensação do cheque, o beneficiário deve se dirigir ao banco sacado com o papel em mãos, para que a instituição faça a conferência de fundos e execute a transferência conforme solicitado.

Para que o valor seja compensado por alguém que não é o beneficiário descrito na ordem de pagamento, o cheque deve ser emitido de forma nominal: isso permite ao beneficiário transferir o documento para que seja creditado na conta de outra pessoa.

Compensação de cheques

O número de cheques compensados no Brasil caiu para 672 milhões em 2015. Foto: iStock, Getty Images

Prazos para compensação de cheques

O prazo para que o valor do cheque seja depositado na conta do beneficiário depende do valor do pagamento. O cálculo é feito a partir do dia útil seguinte ao do depósito, e segue a seguinte regra:

  • Valores inferiores a R$ 300,00 demoram até dois dias úteis para serem compensados
  • Valores superiores a R$ 300,00 demoram um dia útil para serem compensados.

Para saque, os valores ficam liberados no dia útil seguinte ao último dia do prazo de compensação. Para compensar débitos na conta corrente do beneficiário, o montante depositado fica disponível na noite do último dia do prazo de compensação.

Vale lembrar ainda que a compensação de cheques é considerada um serviço essencial pelo Banco Central, o que impede instituição financeira de cobrar uma tarifa adicional pela transação.

Você vai se interessar por:

Uso de cheques caiu nos últimos anos

De acordo com dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o número de cheques compensados no Brasil caiu para 672 milhões em 2015, o que representa uma redução de 79,84% em relação a 1995. Comparando com 2014, a queda foi de 11,09%.

O levantamento é baseado na Compe (Serviço de Compensação de Cheques) e revela uma mudança nos hábitos bancários do consumidor brasileiro. As transferências eletrônicas ganham cada vez mais espaço, enquanto os cheques, pouco a pouco, caem em desuso.

A situação é corroborada por outra pesquisa, realizada pela Febraban com as principais instituições financeiras do país (Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa, HSBC, Itaú e Santander). De acordo com os dados, as operações bancárias realizadas por internet banking e mobile banking representaram 58,5% do total de transações no sistema bancário no início de 2015 – um crescimento de oito pontos percentuais em relação ao ano anterior.

Se você ficou com alguma dúvida a respeito da compensação de cheques, a dica é acompanhar a página do Banco Central destinada a atender aos principais questionamentos dos correntistas.

 

Este artigo sobre compensação de cheques foi útil para você? Compartilhe as dicas!

quando vale a pena comprar título de capitalização
melhor lugar para trabalhar
cesta de serviços bancários
Já sabe o que fazer quando terminar a faculdade
Usando o cheque como instrumento de crédito
Cuidando das finanças no lar