Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Como planejar meios eletrônicos de pagamento para o seu e-commerce

A- A+

Já faz tempo que a desconfiança da população quanto às vendas pela internet virou coisa do passado. Hoje, os meios eletrônicos de pagamento estão cada vez mais diversos e o consumidor se sente mais seguro para realizar compras à distância.

Cartões de crédito e débito, transferências e depósitos bancários e geração de boletos são os meios eletrônicos de pagamento mais comuns nas lojas virtuais. Mas um empreendedor de verdade precisa ficar atento a novas tendências e planejar muito bem como será o sistema de pagamento no seu e-commerce.

Homem recorre a meios eletrônicos de pagamento

Compras feitas pelos smartphones são alternativa comum para o e-commerce. Foto: iStock, Getty Images

Como montar uma loja virtual

Uma pessoa que criou uma página no Facebook para vender seus doces e quitutes, por exemplo, pode tranquilamente aceitar pagamentos com um simples depósito bancário ou somente no dinheiro vivo, na hora da entrega. Mas se a intenção é criar um negócio mais profissional e com maiores ambições, desenvolver uma loja virtual é o caminho mais indicado.

Para aceitar pagamentos no site, é possível optar por serviços como o PayPal e PagSeguro, que são intermediadores. As vantagens são a pouca burocracia e a facilidade para assinar, mas há taxas (o PagSeguro, por exemplo, cobra 3,99% sobre cada venda) e o usuário precisa acessar um ambiente externo ao seu site para completar a compra.

A alternativa é desenvolver um e-commerce próprio ou contratar um serviço pronto. Pagar uma empresa para programar um sistema adaptável ao seu site é a melhor opção, mas será também a mais custosa.

Como escolher os meios eletrônicos de pagamento

Na hora de escolher quais meios eletrônicos de pagamento você aceitar na loja virtual, há quem prefira disponibilizar o máximo de possibilidades possível, enquanto outros preferem focar em apenas um ou dois.

A decisão pode ser tomada de acordo com a preferência de cada um, mas o ideal é encontrar um equilíbrio. Se você diluir as receitas em vários canais, pode dificultar a sua organização, a não ser que haja um eficiente sistema de gestão que integre a confirmação das transações e do recebimento do dinheiro ao controle das vendas e do caixa.

Por outro lado, quando as opções são muito limitadas, alguns clientes podem acabar dando preferência a outra loja, que contemple o seu meio de pagamento preferido.

Que tal os smartphones?

Seja qual for a estratégia escolhida, deve ser construída uma navegação que facilite a operação toda. O desafio é reduzir o número de passos que o usuário precisa dar até completar a compra sem negligenciar a segurança.

Um canal que permite isso melhor do que qualquer outro é o smartphone. Dizem que, no futuro, ele poderá substituir o cartão de crédito, mas, enquanto isso não acontece, o uso do mobile-commerce já é uma realidade cada vez mais comum. Para embarcar nessa onda, a dica é desenvolver, além de um site responsivo, um aplicativo para a loja.

Cartilha do Sebrae orienta empreendedor

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) preparou, em 2014, uma cartilha com orientações e insights sobre meios de pagamento digitais para o empresário que comercializa ou quer comecializar seus produtos pela internet.

Se esse é o seu caso, recomendamos a leitura para entender melhor os meandros das vendas pela internet.

Você vai se interessar por:

Esse artigo lhe fez lembrar de alguém? Compartilhe!

como abrir uma loja virtual
como pechinchar na internet
compra segura no celular
taxas para compra no exterior pela internet
Pesquisando direitos do consumidor nas compras pela internet
Vai fazer compras de supermercado pela internet