Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Como organizar as dívidas e manter as finanças sob controle

A- A+

Ter contas a pagar – inclusive parceladas – nem sempre é sinônimo de que tudo vai mal. Dependendo do que você está pagando, e de que forma, pode ser até considerado saudável. O segredo é saber como organizar as dívidas para manter o controle no orçamento.

Casal sabe como organizar as dívidas

Para manter o bolso saudável, não se deve comprometer o salário com parcelas. Foto: iStock, Getty Images

Saiba como organizar as dívidas

Conforme a cartilha dos educadores financeiros, dívida não é sinônimo de inadimplência. Ter dívidas significa que você tem parcelas a pagar, mesmo que as liquide sempre em dia. Dentro dessa lógica, pagar o financiamento de uma casa é considerado uma dívida, mesmo que você honre religiosamente os prazos.

E o mais curioso é que, quando se trata da construção de patrimônio – como no caso dos imóveis – o parcelamento é considerado uma dívida boa.

Mas até que ponto isso é interessante para o consumidor? Segundo os especialistas, comprometer até 30% da renda não traz problemas para administrar o orçamento.

Entretanto, o patamar de 35% já pode trazer alguma complicação. Mas o sinal de alerta vem mesmo quando se chega aos 40%. Com esta fatia do salário comprometida, fica difícil dar conta dos demais compromissos, como condomínio, serviços essenciais, combustível, entre outros.

Não fique devendo muito

Para saber como organizar as dívidas e conquistar a saúde financeira, a primeira tarefa é fazer um mapeamento do que deve. Anote todos os gastos mensais em uma planilha e verifique quais deles são referentes a prestações.

Saber qual o percentual do seu salário que está comprometido é muito simples. Basta dividir o valor total pago em parcelas pela receita líquida do mesmo mês. Em seguida, multiplique por 100 e chegará ao resultado.

Se estiver passando dos 35% de comprometimento, é hora de apertar os cintos. Analise o registro de suas despesas e veja o que pode ser eliminado e o que pode ser negociado. Se verificar que um parcelamento pode ser quitado, por exemplo, faça isso o quanto antes.

Outra dica é renegociar alguns valores. Há casos em que os juros cobrados são considerados abusivos e pode-se solicitar um recálculo, principalmente em pendências antigas, sobre as quais os serviços de cobrança são terceirizados.

De qualquer forma, até conseguir reduzir o percentual da sua renda destinado aos parcelamentos, o ideal é diminuir suas despesas, sobretudo com supérfluos. Se seu padrão de vida estiver acima do que pode sustentar, reveja alguns gastos, como TV a cabo, assinatura de jornais e revistas e outras coisas que podem esperar.

O ideal é sempre juntar o dinheiro e pagar tudo à vista (em espécie ou no cartão), mesmo os itens mais caros, como uma televisão ou um sofá novo. Além de evitar comprometer o salário por muito tempo, ainda se tem a chance de barganhar preço.

Seu nome protegido

Se você convive com dívidas, precisa conhecer o Vivo Alerta CPF. Entre as suas funções, está o envio de um SMS ao cliente toda vez que ocorrer uma alteração no status do seu nome nas bases de dados da Serasa Experian, toda vez que uma empresa consultar o nome do cliente nessa base de dados e ainda quando o seu nome estiver prestes a ser negativado.

Além disso, o cliente recebe exclusivas dicas antifraude e pode visualizar o relatório completo sobre o seu CPF.

> Vivo Alerta CPF: Receba alertas via SMS sempre que houver consultas a seu CPF

Aprendeu como organizar as dívidas? Compartilhe as dicas!

Dicas para quem pensa em vender bens para pagar dívidas
seudinheiro-Compras-de-supermercado
sair da casa dos pais
vale a pena economizar
vale a pena pegar empréstimo
emprestimo urgente para negativado