Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Como montar uma poupança mínima para evitar apertos

A- A+

O cenário da economia brasileira não é dos melhores. As altas taxas de juros e o aumento da cotação do dólar têm desacelerado a economia. O País tem sofrido com a diminuição do consumo e a desaceleração de investimentos, o que implica nas expectativas para o PIB (Produto Interno Bruto) em 2015. O resultado é queda no número de contratações e o aumento do medo do desemprego.

Manter uma poupança mínima pode ajudar você a enfrentar a situação econômica e evitar possíveis apertos em tempos mais difíceis. Fazer uma reserva de emergência pensando no pior, como desemprego, por exemplo, tem se mostrado uma necessidade. Ela pode significar uma vida financeira mais tranquila em casos inesperados.

poupanca-minima

Planejamento e a avaliação de todos os gastos é essencial. Foto: iStock, by Getty Images

 

Gastar menos é primeiro passo para ter uma poupança mínima

A poupança mínima ideal é aquela que pode cobrir entre três e seis meses de contas regulares de uma pessoa ou família, sendo equivalente, claro, à renda dela.

O primeiro passo para a construção de uma poupança mínima é a revisão do orçamento familiar. “O planejamento e a avaliação de todos os gastos é um passo fundamental para organizar as finanças”, afirma Virene Matesco, professora de economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

De acordo com a professora, para se chegar à poupança mínima ideal é preciso se estabelecer uma meta de economia mensal entre 5% a 10%. “Cortar gastos supérfluos e abrir mão de prazeres imediatos faz parte da equação e deve ser encarado como um investimento futuro”, avalia Matesco. “Você pode começar economizando 5%, mas essa meta deve ir aumentando gradativamente à medida em que você reavalia os maus hábitos financeiros”, aconselha.

Poupança mínima ajuda em casos emergenciais

A tarefa de criar uma poupança mínima demanda paciência e força de vontade. Além do corte de gastos e economia, é preciso que seu titular não mexa nesse dinheiro guardado.

Apesar de ser uma opção de investimento seguro, a alta liquidez da poupança (a possibilidade do dinheiro ser sacado a qualquer momento) pode ser vista como uma desvantagem para quem não se controla. Isso porque, para render, o recurso precisa ficar, no mínimo, um mês na caderneta.

Quem quer rendimentos maiores, precisa esperar ainda mais, já que a caderneta de poupança rende atualmente uma média de 6% ao ano.

Mas mesmo que os rendimentos sejam bem menores em relação a investimentos de alto risco, como ações na Bolsa de Valores, por exemplo, uma poupança mínima pode ser a salvação da lavoura em horas de aperto, como desemprego, acidentes ou problemas de saúde etc.

Seguro Conta Garantida é alternativa para momentos de aperto

Além de manter uma poupança mínima, uma outra alternativa que ajuda em horas de aperto como acidentes ou desemprego é contratar um seguro que garanta o pagamento de algumas de suas contas durante um período pré-determinado.

O Seguro Conta Garantida é um serviço da Vivo que garante o pagamento total ou parcial da conta de celular em caso de perda de renda ou incapacidade física.

> Vivo Conta Garantida: Assegure 3 meses de conta paga de celular em caso de desemprego
por que a poupança rende tão pouco
Novo celular chinês
Aprendendo como poupar dinheiro
Comparativo de celulares ajuda a escolher
Homem avalia comprar iPhone 5S usado
Homem comunica IMEI bloqueado