Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Aprenda como escolher o seguro da casa

A- A+

De acordo com dados da Confederação Nacional das Empresas de Seguros (CNseg), menos de 10% das residências brasileiras são seguradas. Mesmo o seguro de casa sendo bem mais barato do que o que automóveis, o último é bem mais comum no mercado.

Para o presidente da CNseg, Marco Rossi, essa é uma questão cultural. “Há 20 anos, o brasileiro fazia apenas seguros de automóvel. Hoje o campeão de desejo da classe média é o seguro saúde. Mas o crescimento do seguro de casa é um processo evolutivo e uma adaptação do mercado”, acredita.

Segundo Rossi, o seguro de casa é um produto que pode ser acessado facilmente por canais alternativos de vendas, o que aumenta as expectativas em torno do seu desenvolvimento. “Com a oferta do seguro residencial em combos relacionados ao seguro de automóveis, por exemplo, sua distribuição vem crescendo. Ele é um tipo de seguro simples que pode ser vendido, inclusive, pela internet”.

Foto: Shutterstock

Existe uma cobertura básica obrigatória mas pode ser de acordo com seu gosto. Foto: Shutterstock

Seguro de casa é bastante flexível

O seguro de casa é o mais flexível do mercado e se adapta de acordo com as necessidades do consumidor. A cobertura básica é obrigatória para todos: danos causados por incêndios, quedas de raios e explosões de gás. Ele cobre prejuízos com desmoronamento, despesas com combate ao fogo, salvamento e desentulho do local.

As coberturas adicionais são variadas e podem incluir, de acordo com o desejo do seguro, danos causados por fenômenos da natureza (vendavais, inundações, terremotos etc), danos elétricos, colisão de veículos aéreos ou terrestres. Quebra de vidros, roubos e furtos e gastos advocatícios ou judiciais em caso de danos causados a terceiros dentro da residência também podem fazer parte da cobertura.

“A cobertura do seguro de casa deve estar especificada no contrato. Ela vai depender das necessidades de quem quer fazer o seguro”, explica Marco Rossi. “O seguro não cobre gastos com serviços hidráulicos, elétricos e outros, como chaveiro, por exemplo. Mas o segurado pode contratar uma Assistência 24 horas juntamente com o seguro”, revela.

Preço de um seguro de casa

São vários os fatores que influenciam no preço do seguro de casa. Os mais óbvios são relacionados ao imóvel em si: valor da propriedade, sua localização (cidade e bairro, áreas de risco ou com maior índice de violência etc), tipo (casa ou apartamento) e material de construção (alvenaria, madeira etc).

Além desses fatores, outro elemento importante para determinar o custo do seguro de casa são as coberturas adicionadas. Ele varia ainda em relação ao o que está sendo segurado: apenas o imóvel e sua estrutura, apenas os bens no interior dele ou ambos.

“O próprio consumidor determina livremente o limite máximo de indenização do seguro para cada uma das coberturas contratadas”, afirma Marco Rossi. “Os preços são bem elásticos a depender das contratações feitas. Um seguro básico pode custar R$ 10 por mês. Outros com valores e coberturas maiores pode chegar a custar entre R$ 500 e R$ 1 mil anuais”.

Segurança para sua família

Clientes Vivo podem contratar seguro residencial que garante, entre outras coberturas, proteção contra incêndio, raio e explosão. A apólice garante o pagamento de uma indenização, quando ocorrer danos à sua residência ou ao seu conteúdo. O seguro cobre ainda prejuízos decorrentes de roubo ou furto qualificado, de problemas causados por danos elétricos e Responsabilidade Civil Familiar.

> Seguros para seus bens: Proteção da sua casa até sua bolsa, mochila e carteira

Gostou das dicas para escolher o seguro ideal para a sua casa? Compartilhe.

O controle financeiro pessoal e o futebol
meu marido morreu tenho direito a pensão
almofadas para sofá
quanto custa um seguro de casa
como abrir uma empreiteira
trator cortador de grama