Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Como comprar um apartamento com parcela que caiba no bolso

A- A+

Diz o ditado que “quem casa, quer casa”. Mas não é só esse público que mantém o sonho da casa própria. Se a ideia é descobrir como comprar um apartamento via financiamento, vale a pesquisa pelas melhores condições. Afinal, o mercado oferece muitas facilidades, mas o nosso bolso nem sempre dá conta do recado.

Para se ter uma noção do tamanho do problema, em 2015, as desistências de contratos firmados para aquisição de imóvel na planta cresceram 10,7%, totalizando cerca de 50 mil negócios cancelados, conforme pesquisa da Fipe em parceria com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias.

Casal sabe como comprar um apartamento

Simulador pode ajudar a calcular o valor correto de prestação no novo imóvel. Foto: iStock, Getty Images

Calcule como comprar um apartamento

No atual cenário econômico, em função do desemprego crescente, é ainda mais importante fazer os cálculos, buscando encontrar uma prestação que caiba no bolso. Afinal, embora a desistência seja um direito do tomador de crédito imobiliário, ele é quem mais perde no negócio – até mesmo porque precisa arcar com uma multa.

Mas o que fazer, afinal, para evitar a desistência? A melhor saída ainda é a prevenção. Fazer e refazer as contas antes de assinar o contrato é fundamental para assegurar o pagamento das parcelas.

Como facilidade, há muitos simuladores de valores de prestação na internet. Os próprios bancos disponibilizam ferramentas para calcular o valor da sua parcela, em função do valor de crédito imobiliário que você solicitar.

Os portais especializados em imóveis também colaboram. O Zap, por exemplo, possui um filtro de busca para compra de imóveis que seleciona as opções de acordo com a parcela que você quer e pode pagar.

Não comprometa seu orçamento

A Caixa Econômica Federal, que lidera o crédito imobiliário no Brasil – assim como os demais bancos que oferecem financiamento para habitação – limita o valor das parcelas a 30% da renda familiar. Essa é uma medida de segurança para evitar inadimplência.

Especialistas são taxativos ao indicar que não se gaste além disso. Alguns são mais rígidos e limitam até 25% para evitar que imprevistos financeiros coloquem em risco o pagamento do imóvel.

Levando em consideração que o financiamento imobiliário tem um contrato longo – afinal, serão anos pagando – o cálculo não pode ficar limitado à renda.

É necessário incluir na conta outros fatores, como o desemprego, uma gravidez não planejada, gastos com doença e, na pior das hipóteses (mas igualmente importante) até a morte do cônjuge. Tudo isso precisa ser colocado na balança antes de tomar sua decisão.

Se você já deu início ao financiamento, convém tomar cuidado e, caso tenha alguma dificuldade nos pagamentos, procure o banco imediatamente para ver o que pode ser feito de forma que seja menos oneroso para você.

Você vai se interessar por:

Organize suas finanças

Para aprender como comprar um apartamento sem prejudicar o bolso, você precisa de organização financeira. Se tem dificuldades nessa área, a dica é ouvir quem sabe. Para usar o seu dinheiro de um jeito mais inteligente, conheça o Vivo Finanças Pessoais. Com ele, você recebe mensagens e participa de jogos que lhe ajudam a controlar seus gastos, poupar e investir. E você ainda participa de sorteios diários.

> Vivo Finanças Pessoais: Receba dicas por SMS e concorra a R$ 2.500 todos os dias

Aprendeu como comprar um apartamento sem se endividar? Compartilhe as dicas!

investir em imóvel na planta vale a pena
crédito para financiar casa própria
casa para família numerosa
casa dos sonhos
Como ter uma boa qualidade de vida
Aproveitando o desconto em imóveis