Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Cheque sustado após roubo evita prejuízo

A- A+

De acordo com pesquisa do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), o uso do cheque como forma de pagamento tem diminuído ano a ano. Somente em 2014, a queda no uso dos cheques foi de 10%.

Os motivos são vários: o aumento do uso dos cartões de crédito e débito, a comodidade do plástico em relação ao preenchimento da folha de cheque e mesmo a diminuição de aceitação do cheque em virtude de devoluções e inadimplência.

Mas, mesmo em decadência, o talão de cheque continua sendo utilizado e pode se transformar em um transtorno em caso de perda, roubo ou furto de folhas ou do talão. Nesse caso, a opção do usuário é sustar o cheque para evitar prejuízos. Mas apelar para o cheque sustado é legal?

cheque-sustado

Para realizar a sustação, o saldo da conta precisa estar positivo. Foto: iStock, by Getty Images

O que é um cheque sustado?

O correntista tem direito a usar o recurso do cheque sustado em caso de perda, roubo ou furto. O primeiro passo em qualquer um dos casos é o registro de boletim de ocorrência policial informando o ocorrido, com discriminação dos números dos cheques perdidos ou furtados.

Em seguida, o correntista deve entrar em contato com o banco para solicitar que os cheques sejam sustados. Caso seja apresentado, o cheque é devolvido pelos motivos de folha roubada ou sustada ou cheque roubado ou sustado. O banco ainda fica proibido de fornecer qualquer tipo de informação ao portador do cheque sustado.

Em caso de cheque sustado por roubo o furto, o correntista é liberado do pagamento das taxas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional referentes ao serviço. Em qualquer outro caso, ele está sujeito, no entanto, à cobrança pelo banco de tarifa pela sustação do cheque.

Tarifa por cheque sustado

A taxa para sustar um cheque varia de banco a banco. Veja quanto custa em cada uma das instituições:

Banco do Brasil – R$ 10,80

Caixa Econômica – R$ 10,80

Bradesco – R$ 10,85

HSBC – R$ 11,45

Itaú – R$ 10,75

Santander – R$ 11,40

Cheque sustado: procedimentos

Um cheque pode ser sustado mediante solicitação por qualquer meio de comunicação e canal de atendimento ao cliente do banco. A solicitação deve ser confirmada até o encerramento do expediente ao público do segundo dia útil seguinte ao registro do pedido, sem contar o dia da solicitação.

Caso não haja confirmação, o cheque não pode ser considerado sustado. Os bancos, no entanto, não podem impedir ou limitar o correntista de sustar um cheque, mesmo que o motivo não seja perda, furto ou roubo. Mas, em qualquer outro caso, para realizar a sustação, o saldo da conta precisa estar positivo de acordo com os valores das tarifas do serviço.

O correntista precisa estar ciente ainda que um cheque sustado não o desobrigada de pagá-lo. A não ser em caso de perda, roubo ou furto, quando a medida previne prejuízos e danos, em qualquer outro caso, principalmente para evitar que o cheque volte por falta de fundos, a sustação da folha não inviabiliza cobrança judicial ou protesto do mesmo.

Monitore o seu CPF

Já imaginou um serviço que alerta cada vez que houver consultas ou movimentações em seu CPF? Entre as funções do Vivo Alerta CPF, está o envio de um SMS ao cliente toda vez que ocorrer uma alteração no status do seu nome nas bases de dados da Serasa Experian, toda vez que uma empresa consultar o nome do cliente nas bases de dados da Serasa e ainda quando o seu nome estiver prestes a ser negativado. Além disso, o cliente recebe exclusivas dicas antifraude e pode visualizar o relatório completo sobre o seu CPF.

> Vivo Alerta CPF: Receba alertas via SMS sempre que houver consultas a seu CPF

Gostou das dicas de cheque sustado? Cadastre-se e receba nossa newsletter.

sair da casa dos pais
vale a pena economizar
vale a pena pegar empréstimo
emprestimo urgente para negativado
erros financeiros comuns
como aprender com erros de finanças