Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Carro novo ou usado: veja qual é o melhor investimento

A- A+

Carro novo ou usado, qual é a melhor opção? Na hora de trocar de automóvel, é comum que essa dúvida apareça. A resposta vai depender de diversos fatores envolvidos, que variam de um consumidor para o outro e fazem a diferença na sua satisfação.

Diferenças entre carro novo ou usado

Enquanto há aqueles que privilegiam a emoção e segurança de contar com um carro zero quilômetro, retirado diretamente na concessionária, em outros casos em que o custo-benefício que faz a diferença. Ou seja, ao invés de optar por um modelo novo, mas com poucos recursos, a opção é comprar um usado que traga mais equipamentos.

“O mercado mostra que o consumidor tem optado mais pelo usado completinho”, afirma o gerente de marketing do Webmotors, Rafel Constantinou. Ele explica que hoje é possível encontrar veículos com poucos anos de uso e baixa quilometragem por valores competitivos.

A principal vantagem é contar com equipamentos voltados ao conforto e que fazem toda a diferença, seja no dia a dia ou em viagens maiores. São itens como ar condicionado, direção hidráulica, travas e vidros elétricos e mesmo opções mais avançadas, como sistema integrado de entretenimento.

Ao escolher, é preciso levar em conta também o orçamento disponível, o estado de conservação do veículo e quais acessórios são fundamentais para as suas necessidades. Afinal de contas, não vale a pena investir mais dinheiro para contar com adicionais que não são utilizados.

Ao escolher entre carro novo ou usado, avalie os valores envolvidos e os acessórios disponíveis. Foto: iStock, Getty Images

Ao escolher entre carro novo ou usado, avalie os valores envolvidos e os acessórios disponíveis. Foto: iStock, Getty Images

Carro novo ou usado: cuidados na compra

Mas se a compra de um usado pode ser opção mais vantajosa na maioria dos casos, ela também exige cuidados que devem ser considerados. Na compra de um carro zero, basta avaliar quais são as especificações que você deseja, os valores envolvidos e negociar com a concessionária. Nos anos seguintes, você conta com a garantia para ter suporte no caso de problemas com o veículo. O resultado é mais segurança na hora de rodar.

Nos modelos usados, o cuidado é redobrado. Quem pesquisa pela internet, por exemplo, costuma encontrar ofertas mais atraentes, mas que nem sempre são a melhor opção. É por isso que Constantinou indica que se deve desconfiar de preços que estão muito abaixo dos valores de mercado.

“Confira também a quilometragem e evite modelos em que o anúncio não informa a quilometragem ou coloca números como ‘999.999’. E sempre prefira as ofertas com fotos do carro“, ensina ainda. Se o anúncio parece confiável, é hora de fazer um levantamento do histórico do veículo.

A pesquisa pode ser feita a partir de ferramentas como o Infomotors, disponível no site do Webmotors. Dados como histórico de quilometragem, acidentes sofridos e documentos extraviados ou roubados poder ser conferidos. Por fim, é importante buscar informações sobre o vendedor ou a empresa envolvida no negócio, através da consulta do CPF ou CNPJ.

Assistência é alternativa para vidraceiro e outros serviços

Independente de ser um carro novo ou usado, os veículos podem apresentar problemas imprevistos. Caso você não tenha uma reserva financeira para emergências, uma boa alternativa é fazer seguro. Desta forma, urgências podem ser resolvidas de forma rápida e com garantia.

É o caso do Vivo Multiassistência, que oferece serviços de profissionais especializados e de confiança para consertos e reparos emergenciais ou serviços de manutenção em residência. Problemas hidráulicos e elétricos, vidraceiros e chaveiros estão entre os trabalhos oferecidos pela assistência residencial.

> Vivo Multiassistência: Garanta eletricista, vidraceiro e conserto de eletrodomésticos para casa

Você também está na dúvida entre um carro novo ou usado? Comente!

investir em imóvel na planta vale a pena
vale a pena investir na decoração de uma casa para alugar
vale a pena ter seguro de vida
dinheiro poupança pode ser penhorado
por que a poupança rende tão pouco
o que é previdência complementar