Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Carro a gás pode ser boa opção para quem faz longas viagens

A- A+

Com o preço da gasolina em alta, é normal que o consumidor vá em busca de alternativas que possam ajudar a economizar em combustível. Uma opção é adaptar o seu carro para que ele passe a rodar com o Gás Natural Veicular (GNV). Mas, antes de fazer a escolha, é preciso conhecer o seu funcionamento, vantagens e desvantagens.

O que é o Gás Natural Veicular

As frotas de táxis dos grandes centros são as principais responsáveis pela popularização do GNV no país. Assim como o petróleo, ele é um combustível fóssil, mas possui algumas características específicas. De acordo com a Petrobrás, como se trata de um produto seco, não há acúmulo de resíduos de carbono nas partes internas do motor, o que aumenta sua vida útil e também o intervalo de trocas de óleo.

Além disso, a sua queima é mais limpa que a gasolina, por exemplo, com baixa emissão de nitrogênio, gás carbônico e enxofre. Mesmo fazer a adaptação do seu carro para que ele possa rodar com o Gás Natural Veicular, ele ainda pode ser abastecido com o combustível utilizado anteriormente.

No Brasil, os táxis são os principais veículos que utilizam o GNV como combustível. Foto: iStock, Getty Images

No Brasil, os táxis são os principais veículos que utilizam o Gás Natural Veicular como combustível. Foto: iStock, Getty Images

Quando usar o Gás Natural Veicular

Não existem restrições para se colocar um equipamento de abastecimento com GNV no carro. Em geral, qualquer veículo pode rodar com o sistema. O maior problema encontrado é o alto custo que a adaptação pode render. É por conta desse fator que ele nem sempre é a melhor escolha, pelo menos do ponto de vista econômico.

Para o gerente de vendas da Compagas, Justino Pinho, uma das vantagens desse gás como combustível é que ele rende mais, seja na comparação com o etanol ou com a gasolina. Essa eficiência, é claro, varia de um veículo para o outro e também de acordo com o uso do seu carro.

“Acredito que seja vantajoso para quem rode pelo menos dois mil quilômetros por mês, pois o investimento é alto e pra quem roda pouco e o tempo para recuperar este recurso é em longo prazo”, opina Marcos Giglio Junior, gerente comercial da Maffei Veículos. Não é à toa que a maioria dos taxistas utiliza o GNV como combustível.

Giglio considera que a grande desvantagem aparece na hora de revender o veículo, pois costuma existir uma rejeição no mercado com os modelos usados que rodem com o GNV. Por isso, a melhor dica é pesquisar valores e características e analisar os benefícios que a adaptação pode trazer.

Gostou das dicas sobre o gás GNV? Compartilhe!

economizar no seguro do carro
como economizar na limpeza
não consigo pagar financiamento veículo
cadeiras de bebê para automóvel
banco de couro automotivo
carros-pequenos-e-baratos