Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Aprenda como fugir dos juros altos dos bancos

A- A+

Se você está entre os brasileiros que enfrentam problemas financeiros e têm dificuldades para pagar as contas, parte do seu problema pode estar nos juros altos. É claro que muitas das decisões tomadas ao longo da vida podem trazer maior ou menor prejuízo ao bolso, mas gerenciar o orçamento com uma das mais altas taxas de juros do mundo não ajuda muito quando a ideia é não se endividar.

Em 30 de abril, a Selic (taxa básica de juros da economia) atingiu o índice de 13,25% ao ano, o maior desde 2008. A decisão de aumento de meio ponto percentual pelo Banco Central foi entendida por especialistas como uma ação mais contundente no combate à inflação, que ultrapassa os 8% em 12 meses.

Para você, que só deseja estar com as contas em dia e de bem com o próprio bolso, é importante entender que o cenário atual não é o dos mais atraentes para o consumo. Ainda assim, sonhos não precisam deixar de ser realizados. O que é preciso é descobrir como fugir do juros altos. Veja a seguir algumas dicas que podem ajudar você nesse desafio.

juros altos

Escalada dos juros exerce influência direta no poder de compra do brasileiro. Foto: iStock, Getty Images

A interferência da Selic nos juros

Inicialmente, vamos explicar como funciona a taxa Selic e por que ela interfere no cálculo da fatura do seu cartão de crédito, por exemplo. Entender essa relação é fundamental também para o momento de decidir por fazer um empréstimo ou quando for solicitar um financiamento.

Estabelecida pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (COPOM), a Selic funciona como referência básica para definir o piso dos juros no país. É a partir dela que as instituições financeiras calculam a taxa de juros que será cobrada dos consumidores.

Assim, embora os bancos tomem dinheiro emprestado pelo valor da Selic, a tarifa cobrada dos clientes será maior, considerando a incidência do lucro, dos custos operacionais, das cargas tributárias e dos encargos relativos ao risco de não obter de volta o valor emprestado.

Manipulando o valor da Selic, o Banco Central tenta controlar os rumos da inflação. A relação é fácil de entender: quanto maior for a taxa de juros, menor será o consumo, pois o crédito será menos acessível.

Para Eric Universo Brasil, economista da FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), o quinto aumento consecutivo da Selic tende a impactar todas as demais taxas, especialmente porque o mercado já esperava e estava preparado para esse aumento. “Logo, as instituições financeiras irão reajustar suas taxas e subir os juros de financiamentos, como os imobiliários e automotivos”, avalia. A saída para esse cenário, como já dito, é buscar escapar dos juros altos.

Por que fugir dos juros altos

Conforme a Associação Nacional dos Executivos em Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), os juros médios praticados em 2014 alcançaram 258,26% ao ano e foram os maiores desde 1999. Segundo o advogado e consultor Gennaro Cannavacciuolo, diretor da Fiel Consultoria, eles aparecem em todos os tipos de contrato, como CDC, leasing, empréstimo pessoal, imobiliário, e cartão de crédito.

Para o especialista, o consumidor é refém do contrato de adesão, não podendo negociar suas condições ao tentar adquirir um bem via financiamento, por exemplo. Sua recomendação para evitar os juros altos é buscar o máximo de informações antes de bater o martelo, pesquisando em mais de um banco.

Se há dificuldade em pagar dívida, a dica de Cannavacciuolo é recorrer a empresas ou profissionais especializados para reavaliar o contrato. “É possível encontrar empresas idôneas e com alto índice de negociações favoráveis, que podem orientar e ajudar o consumidor endividado”, diz.

5 atitudes para evitar os juros altos

Tem problemas com contas ou mesmo com a fatura do cartão? Os juros estão acabando com a sua saúde financeira? Veja como você pode enfrentar melhor esse cenário.

1. Não se limite à parcela mínima do cartão

Pagar o valor mínimo da fatura do cartão de crédito irá gerar um alívio momentâneo, mas apenas empurrará (e ampliará) o problema para o mês seguinte. É nesse caso que a incidência de juros fica ainda maior. Por isso, o ideal é controlar a fatura com rigidez e disciplina, nunca ultrapassando o valor que você é capaz de pagar integralmente.

2. Não use o cheque especial

Quando o assunto é juros altos, o cheque especial só perde para o cartão. Evite usar essa opção. Especialistas indicam que é melhor recorrer a empréstimos pessoais ou ao crédito consignado, cujos juros são menores.

3. Compre à vista

No caso de aquisições, como móveis e eletrodomésticos, o ideal é guardar dinheiro, economizar por alguns meses e quitar o valor à vista. Você paga menos e não contrai dívidas.

4. Fuja de parcelamentos

Mesmo que não haja juros altos, procure fugir dos parcelamentos.  Quem parcela todas as compras acaba sacrificando boa parte do orçamento mensal para quitar as dívidas.

5. Quite as dívidas o quanto antes

Se você está devendo ou tem parcelas em atraso, use qualquer dinheiro extra para sanar as dívidas, ao invés de comprar novos produtos. Assim, você se livra dos juros e garante um alívio financeiro.

Conta pré-paga ajuda na economia

Você sabia que a Vivo oferece uma conta pré-paga que funciona via celular? O Vivo Zuum funciona como uma conta corrente com a qual o usuário pode transferir e receber dinheiro, recarregar o celular e fazer compras. O serviço ainda permite que o cliente tenha um cartão para saque em caixas eletrônicos e é isento de anuidade.

> Vivo Zuum: Tenha conta corrente com cartão, sem banco, sem complicação

Gostou das dicas para fugir dos juros altos? Compartilhe!

Pokémon Go
como lucrar vendendo artesanato
como lucrar vendendo cosméticos
É importante entender de finanças bem antes de sair de casa.
como abrir uma academia de ginástica
como abrir uma pizzaria