Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

Aplicação financeira: qual o valor mínimo para começar?

A- A+

Uma pergunta que aflige quem quer começar uma aplicação financeira é quanto de dinheiro será necessário para tal. A resposta vai depender de uma série de fatores e, principalmente, de qual tipo de investimento você procura.

Mas os valores para se começar uma aplicação financeira podem ser bem menores do que você imagina. Não há valor mínimo, por exemplo, para se iniciar uma caderneta de poupança. Outros investimentos como fundos de renda fixa e títulos públicos também não exigem grandes montantes de capital.

Fatores que influenciam uma aplicação financeira

Antes de pensar na quantidade de dinheiro necessária para começar uma aplicação financeira, o investidor, no entanto, precisa estar atento a alguns fatores que vão determinar qual é o melhor investimento para ele.

seudinheiro-Aplicacao-financeira

O primeiro passo para começar a investir é saber o porquê do investimento. Foto: iStock, by Getty Images

De acordo com o educador financeiro e presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros, Reinaldo Domingos, não há uma fórmula exata para investimento, mas alguns fatores devem ser considerados, como os prazos e os riscos envolvidos. “O prazo é importante porque, a depender de quando você precisará do dinheiro, a melhor opção será aplicações a curta, médio ou longo prazo”, explica.

Você vai se interessar por:
Veja as vantagens de manter aplicações na conta bancária
Entenda o que mudou nas regras de investimento em LCI
Livre de dívidas: conheça a liquidação antecipada de empréstimo

O perfil do investidor também é importante para determinar os riscos da aplicação financeira. “O objetivo é poupar ou realmente investir?”, questiona Domingos. “Você quer apostar em um investimento arriscado cujo retorno é maior ao prefere uma rentabilidade menor, mas mais garantida?”

Segundo Domingos, antes de escolher a melhor aplicação, o primeiro passo para começar a investir é saber o porquê do investimento. “O investidor precisa saber quais os objetivos que dará ao dinheiro e como ele vai montar uma estratégia para que se poupe dinheiro para a realização do investimento”, afirma.

Aplicação financeira: capital investido

Depois de avaliar questões como prazo e risco, daí sim o investidor deve se preocupar com quais são os valores mínimos para começar uma aplicação financeira. Segundo Domingos, o mercado financeiro vem evoluindo e apresenta um vasto leque de opções de investimento. “Isso permite que o investidor aplique em vários produtos, como ações, poupança ou títulos públicos, com muito pouco dinheiro. Em alguns casos, menos de R$ 100 já é suficiente”, aponta.

Domingo alerta, no entanto, que o investidor precisa estar atento a cobranças de taxas e impostos. “Alguns investimentos são mais indicados para quem tem uma quantidade maior de capital para aplicar; já outros atendem melhor quem tem pequenas quantias disponíveis para investir”, destaca. “Todo tipo de investimento possui pontos negativos e positivos que dependem do cenário econômico e do objetivo do investidor”, lembra.

Economistas recomendam que, antes de partir para qualquer investimento, o interessado deve montar uma poupança mínima para cobrir eventuais imprevistos. “O ideal é que o consumidor poupe, inicialmente, 5% do seu orçamento”, indica Reinaldo Domingos. “Essa poupança deve ter o equivalente a três ou quatro meses de salários”.

Para Domingos, só depois que o consumidor monta esse fundo de reserva é que chega a hora de começar a investir. “O mais recomendado é que o investidor aposte na diversificação de investimentos. Apesar de poder investir quantidades menores de capital, é importante que o investidor tenha em mente que quanto maior o investimento, mais poder ele tem para barganhar taxas menores”, finaliza.

Gostou das dicas de aplicação financeira? Cadastre-se e receba nossa newsletter.

melhor lugar para trabalhar
liquidação ou promoção
Como ter uma boa qualidade de vida
Já sabe o que fazer quando terminar a faculdade
Cuidando das finanças no lar
Fazendo o controle de finanças na prática