Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

9 dicas para transferir financiamento imobiliário com segurança

A- A+

Um imprevisto financeiro significativo e o sonho da casa própria se torna um pesadelo. Você começa a ter dificuldades para honrar as parcelas e teme perder o imóvel. Como ninguém está livre desse tipo de situação, transferir financiamento pode ser a opção mais indicada. Havendo previsão em contrato, o próximo passo é planejar bem a operação.

Acerto para transferir financiamento imobiliário

É preciso preencher pré-requisitos para assumir um contrato em andamento. Foto: iStock, Getty Images

Como transferir financiamento imobiliário

Não consegue pagar em dia as prestações da sua casa? Ou recebeu uma proposta para assumir um imóvel com dívidas? Não importa o lado em que você esteja, se na posição de comprador ou vendedor, confira em nove etapas como transferir financiamento e adote dicas de segurança para seu dinheiro e patrimônio.

1. Analise o contrato

A pessoa que pretende assumir o financiamento é que deve ter maior cuidado. Por isso, ler atentamente todas as cláusulas do contrato é fundamental. É a partir desse documento que poderá avaliar se consegue ou não abraçar esse compromisso.

2. Verifique datas de vencimento

Um contrato já em andamento certamente tem dias definidos para o vencimento das parcelas. É preciso se certificar de que você pode pagar na data proposta. Isso evitará cobrança de juros, multas e possíveis endividamentos.

Em alguns casos, é possível transferir a data. Entretanto, são cobrados juros diários proporcionais e seguros habitacionais, no caso de haver algum mês sem vencimento dos encargos mensais.

3. Conheça as taxas

As taxas de juros – sejam elas mensais ou anuais – assim como as multas e parcelas semestrais (quando houver), são fundamentais. Analise e veja se elas cabem no seu orçamento. Faça todas as contas possíveis.

4. Observe a taxa de transferência

Antes de assumir um contrato em andamento, lembre-se que existe também uma taxa de transferência. Verifique o valor antes de assinar o documento.  Podem haver ainda outros encargos legais que elevam o valor da parcela.

5. Dê atenção ao FGTS

É possível usar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para assumir um contrato em andamento. Entretanto, podem ser cobradas taxas para análise de cadastro, análise jurídica e avaliação do imóvel.

6. Aguarde a análise de crédito

Assim como o titular inicial, a segunda pessoa a assumir o contrato também será submetida à análise de crédito. Só depois da aprovação (que só ocorrerá se a renda for compatível com o valor da parcela) é que se passa para a próxima etapa.

7. Analise o novo contrato

Após a aprovação, a instituição financeira faz um cálculo do saldo devedor (subtraindo o montante já pago) e elabora um novo contrato. As condições, porém, são as mesmas do contrato anterior. Muda apenas o valor.

8. Providencie o registro

Assinado o documento, o novo tomador do financiamento deve recolher o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Intervivos). Em seguida, é necessário fazer o registro no cartório de imóveis.

9. Transfira a propriedade

Somente após o recolhimento do ITBI e do registro em cartório é que o comprador será considerado proprietário.

Você vai se interessar por:

Seguro para os seus bens

Se você tem um imóvel, uma boa dica é contratar uma proteção extra. Clientes Vivo podem contratar seguro residencial que garante, entre outras coberturas, amparo contra incêndio, raio e explosão. A apólice garante o pagamento de uma indenização, quando ocorrer danos à sua residência ou ao seu conteúdo.

O seguro ainda cobre prejuízos decorrentes de roubo ou furto qualificado, de problemas causados por danos elétricos e Responsabilidade Civil Familiar.

> Seguros para seus bens: Garanta proteção contra incêndio, raio, danos elétricos, roubo e furto

Este artigo sobre transferir financiamento imobiliário foi útil para você? Compartilhe as dicas!

investir em imóvel na planta vale a pena
não consigo pagar o aluguel
preço de imoveis começa a cair
crédito para financiar casa própria
investir em imóveis
direitos do inquilino