Vivo
 
por Vivo Seu Dinheiro

6 gastos familiares que você deve considerar ao planejar orçamento

A- A+

Planejar os gastos familiares é fundamental para manter o controle financeiro e evitar surpresas no final do mês. Mas a tarefa exige dedicação e disciplina: é preciso descobrir o valor gasto com cada despesa, identificar as fontes de receitas e equilibrar as finanças para terminar o mês fora do vermelho.

Principais gastos familiares

1. Automóvel

Quem possui um carro sabe que os gastos para mantê-lo não são baixos. Seguro obrigatório, IPVA, combustível, estacionamento, licenciamento, lavagem e manutenção estão entre as principais despesas. Ao colocar todos os gastos no papel, a conta pode surpreender. Para evitar despesas ainda maiores, faça revisões regulares no veículo e, na hora de comprar um novo, prefira aqueles que possuem alta eficiência energética.

De acordo com pesquisa realizada no ano passado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), a economia pode ser maior do que você imagina. Ela chega a até R$957 por ano, quando comparados os modelos mais eficientes (selo “A”) com aqueles que apresentam o pior desempenho (selo “E”).

Controle efetivo sobre as receitas e despesas é a única forma de organizar o orçamento. Foto: iStock, Getty Images

Controle efetivo sobre as receitas e despesas é a única forma de organizar o orçamento. Foto: iStock, Getty Images

2. Alimentação

A alimentação não pode ficar de fora das contas. Entre gastos no supermercado, padaria e almoços e jantas em restaurantes, ela consome boa parte do orçamento familiar.

Como explica o educador financeiro Pedro Braggio, alguns supérfluos precisam ser cortados dos gastos, principalmente quando o momento é de dificuldades. Entre eles estão a diminuição da lista de supermercado (e também do desperdício de alimentos) e das refeições fora de casa.

3. Despesas da casa

Entre prestações, pagamento de aluguel e IPTU, os gastos familiares com a casa podem representar uma grande parte da despesa mensal da família. Fazer um planejamento de longo prazo é uma ótima opção para conquistar a casa própria e diminuir os gastos familiares.

No caso do IPTU, por exemplo, Braggio defende o pagamento à vista, que evita a pendência ao longo dos meses e ainda permite contar, na maioria dos casos, com os descontos oferecidos pelos municípios. Tudo, é claro, depende da sua situação financeira, mas com o planejamento a longo prazo, a tendência é que o dinheiro esteja disponível.

4. Contas mensais fixas

Na rotina de uma família, há gastos que não podem ser cortados, apenas reduzidos. Liste as contas mensais, como as tarifas de energia elétrica, água, gás, telefone e internet, e descubra quanto elas representam no seu orçamento. Ao determinar esse valor, separe a quantia necessária e evite comprometê-la com outros gastos.

5. Gastos com os filhos

Além das despesas já citadas, ainda é preciso pensar nos custos com os filhos. Os gastos familiares aumentam bastante com novos integrantes. Por isso, coloque na lista gastos específicos com alimentação, saúde, educação e roupas.

No caso da educação, uma boa saída pode ser a criação de uma conta poupança. Embora os rendimentos sejam pequenos, eles podem se transformar em um valor significativo com o passar dos anos.

6. Despesas pessoais e lazer

Mas nem só as contas fixas devem entrar no planejamento. Os gastos familiares com vestuário, passeios e lazer também precisam ser previstos e registrados. Fazendo isso, é possível delimitar quanto cada integrante da família pode gastar com a própria diversão.

Nesse item, é preciso cuidado para quem gosta de usar o cartão de crédito. Para evitar que ele se torne um problema, Braggio recomenda que o parcelamento seja evitado. Caso feito, tudo deve ser anotado e os comprovantes da compra guardados. Além disso, é preciso atenção para não atingir o limite do cartão ou atrasar a fatura.

Como controlar os gastos familiares

A melhor maneira de alcançar a estabilidade é registrar os gastos familiares – e também as receitas -, em uma planilha ou em um caderno. Simplifique as informações e permita que todos os familiares acrescentem dados e monitorem o desempenho financeiro em conjunto.

“Defina o que quer conquistar em curto, médio e longo prazo, feito isso, calcule qual o valor e por quanto tempo precisa juntar dinheiro e coloque em sua planilha ou caderno”, aconselha o educador financeiro. Para ele, essa é uma forma de incentivar a continuidade do planejamento e evitar que as contas saiam do controle.

Conta pré-paga no celular

Uma alternativa ao cartão de crédito convencional é o cartão pré-pago, como é o caso do Vivo Zuum. Com ele, é possível manter os gastos mais controlados. Além disso, você pode transferir dinheiro para outra pessoa que também tenha conta Zuum, de qualquer lugar. Não precisa ter conta em banco e nem comprovar renda.

> Zuum: Tenha conta corrente com cartão, sem banco, sem complicação

Gostou das dicas sobre gastos familiares? Compartilhe!

Pokémon Go
como lucrar vendendo artesanato
como lucrar vendendo cosméticos
É importante entender de finanças bem antes de sair de casa.
como abrir uma academia de ginástica
como abrir uma pizzaria